Menina que viu Rhuan morrer mostra evolução após trauma

Ministra Damares Alves acompanha o caso pessoalmente

Pleno.News - 02/07/2019 10h37

Rhuan Maycon, de 9 anos, foi brutalmente assassinado Foto: Reprodução

A menina de 8 anos que presenciou a brutal morte de Rhuan Maycon da Silva Castro, de 9 anos, em Brasília, está apresentando evolução após o trauma. A ministra Damares Alves, que acompanha o caso pessoalmente, comemorou a reaproximação da criança com o pai. Sem frequentar a escola há pelo menos dois anos, ela deve voltar a estudar em breve em uma escola no Acre. Resta fazer uma análise pedagógica para saber em qual série ela deverá ser matriculada.

Devido à proporção e à brutalidade do crime, a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados realizou uma audiência para discutir a atuação do Estado em casos como o do menino Rhuan. A coordenadora da Secretaria de Fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos (MMFDH), Alinne Santana, comentou sobre a evolução da menina que presenciou o crime.

– O pai [da menina] me mandou um vídeo brincando com ela, abraçando. A menina vai começar a estudar agora no segundo semestre. Asseguramos que eles terão os direitos legais – disse Alinne, que reforçou que a família terá assistência psicológica.

O menino Rhuan Maycon da Silva Castro, de 9 anos, foi morto a golpes de faca e teve o corpo desmembrado pela mãe e sua companheira. Após o esquartejamento, elas tentaram incinerar os restos mortais em uma churrasqueira. Sem sucesso, as assassinas decidiram colocar partes do corpo de Rhuan em um mala, e a jogaram em uma vala.

O caso aconteceu em Samambaia Norte, em Brasília, no dia 31 de maio.

As assassinas confessaram o crime e estão presas.

 

LEIA TAMBÉM+ 'Nunca vi nada parecido', diz delegado sobre Caso Rhuan
+ Direitos Humanos mandou soltar as assassinas de Rhuan?
+ Bolsonaro fala do caso Rhuan e defende prisão perpétua


Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo