Leia também:
X SC: Alesc autoriza CPI do Aborto após caso de menina de 11 anos

Médico sedou paciente sete vezes durante estupro, diz inquérito

Laudo também aponta que anestesista iniciou estupro 50 segundo após marido da vítima deixar a sala

Gabriel Mansur - 19/07/2022 20h00 | atualizado em 19/07/2022 20h09

Giovanni Quintella foi preso em flagrante Foto: Reprodução/TV Globo

As investigações da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, Rio de Janeiro, apontam que o anestesista Giovanni Quintella Bezerra, de 31 anos, aplicou um medicamento, provavelmente sedação, sete vezes na paciente estuprada. O inquérito foi concluído nesta terça-feira (19). A informação é do g1.

Conforme o laudo, obtido pela reportagem, os medicamentos usados foram cetamina e propofol. As apurações a respeito do caso também indicam que Bezerra iniciou o estupro 50 segundos após o marido da vítima ter deixado a sala de parto com o bebê. Foi o próprio anestesista quem retirou o homem do local.

O crime durou exatos nove minutos e cinco segundos. Foram ouvidas, ao todo, 19 pessoas na investigação. A perícia também afirma que o vídeo de 1 hora e 36 minutos e 20 segundos, gravado pelo telefone de uma enfermeira, está íntegro e sem edições.

O laudo médico-hospitalar em material usado pelo médico para se limpar após o estupro deu negativo sobre a presença de sêmen. No inquérito, é explicado que o material passou por diferentes recipientes depois da coleta e, por isso, não foi possível garantir sua integridade

A Polícia Civil ainda investiga outros mais de 40 possíveis casos de estupro de pacientes do anestesista. Esse número representa o total de procedimentos cirúrgicos que contaram com a participação do anestesista. Apenas no Hospital da Mãe, em Mesquita, o médico participou de 44 cirurgias.

O Ministério Público não esperou o fim da investigação e denunciou o médico à Justiça, que o tornou réu. Além da condenação, o MPRJ pediu também uma indenização em favor da vítima, no valor não inferior a 10 salários mínimos.

Apesar de o inquérito do caso ainda não ter sido concluído pela Polícia Civil, o Ministério Público entendeu que já havia elementos suficientes para fazer a denúncia.

ENTENDA O CASO
Giovanni Quintella foi denunciado por funcionárias do Hospital da Mulher, de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, e preso em flagrante no dia 11 de julho. Funcionárias filmaram o homem colocando o pênis na boca de uma mulher que havia acabado de dar à luz. Ao final, o médico pega um papel para limpar a boca da vítima e, assim, esconder os vestígios do crime. Ele está em preso de forma preventina em Bangu 8, na Zona Norte do Rio.

Leia também1 Vídeo completo que flagrou anestesista tem 1h30 de duração
2 Paciente de anestesista relatou ter sentido "gosto ruim na boca"
3 Anestesista vira réu por crime de estupro de vulnerável no Rio
4 MPRJ denuncia anestesista por estupro de vulnerável
5 Anestesista é investigado por 30 possíveis casos de estupro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.