CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X Campanha Sinal Vermelho: ‘X’ na mão denuncia agressões

Manifestantes pedem volta do comércio em Belo Horizonte

Fechamento de parte do setor foi determinado pelo prefeito Alexandre Kalil

Paulo Moura - 29/06/2020 13h20 | atualizado em 29/06/2020 13h22

Manifestantes protestaram em BH pela volta do comércio Foto: Reprodução

Manifestantes ocuparam o Centro de Belo Horizonte nesta segunda-feira (29) para pedir pela volta do comércio na capital de Minas Gerais. O encontro, que começou por volta das 10h, reivindica a reabertura de bares, restaurantes, academias e shoppings.

Com bandeiras do Brasil, cerca de 250 manifestantes pediam a retomada da atividade comercial. Faixas com os dizeres “BH não pode parar”, cartazes e gritos “queremos trabalhar” foram entoados.

A partir desta segunda, apenas os serviços essenciais poderão funcionar em Belo Horizonte. A medida foi anunciada pelo prefeito Alexandre Kalil na última sexta-feira (26). A determinação, segundo Kalil, acontece após a capital bater recorde de mortes, e interrompe um processo de flexibilização que teve início no dia 25 de maio.

Ao anunciar a intensificação das medidas de quarentena na última sexta, Kalil disse que o momento é de “guerra” e fez um apelo para o cumprimento do isolamento social. Confira o que segue funcionando na capital mineira:

  • Padaria – das 5h às 21h;
  • Comércio varejista de laticínios e frios, açougue, peixaria, hortifrutigranjeiros, minimercados, mercearias, armazéns, supermercados e hipermercados – das 7h às 21h;
  • Artigos farmacêuticos, artigos farmacêuticos com manipulação de fórmula, comércio varejista de artigos de óptica, artigos médicos e ortopédicos -sem restrição de horário;
  • Tintas, solventes, materiais para pintura, material elétrico e hidráulico, vidros, ferragem, madeireira e material de construção em geral -das 7h às 21h;
  • Combustíveis para veículos automotores e comércio varejista de gás liquefeito de petróleo (GLP) – sem restrição de horário
  • Comércio atacadista da cadeia de atividades do comércio varejista da fase de controle – das 5h às 17h
  • Agências bancárias, instituições de crédito seguro, capitalização, comércio e administração de valores mobiliários; casas lotéricas, agências de correio e telégrafo – sem restrição de horário
  • Comércio de medicamentos para animais – sem restrição de horário
  • Atividades de serviços e serviços de uso coletivo, exceto os especificados no art. 2º do Decreto nº 17.328, de 8 de abril de 2020 – sem restrição de horário
  • Atividades industriais – sem restrição de horário
  • Banca de jornais e revistas – sem restrição de horário

Leia também1 Comércio de rua do Rio de Janeiro reabre neste sábado
2 76% dos brasileiros são contra a reabertura das escolas
3 Denúncia aponta sobrepreço de R$ 60 mi em compras de SP
4 Estudo diz que 8 capitais não estavam prontas para reabrir
5 Casos absurdos: De soco em médico a drogas em caixões

Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo