Leia também:
X Bolsonaro protesta pelo fato de homem que matou petista ser chamado de “bolsonarista”

Justiça decreta prisão preventiva de agente que matou petista

Jorge José da Rocha Guaranho matou Marcelo Arruda, que dava uma festa com o tema PT

Monique Mello - 11/07/2022 12h08 | atualizado em 11/07/2022 12h39

Jorge José da Rocha Guaranho Foto: Reprodução/Redes Sociais

Nesta segunda-feira (11), a Justiça decretou a prisão preventiva do agente penitenciário federal Jorge José da Rocha Guaranho, acusado de matar a tiros o guarda civil e tesoureiro do PT, Marcelo Aloizio de Arruda. A ocorrência se deu neste sábado (9), em Foz do Iguaçu, no Paraná, durante a comemoração do aniversário de 50 anos de Arruda, cujo tema era o PT.

A informação foi repassada pelo promotor Tiago Lisboa, do Grupo Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Paraná, durante coletiva de imprensa nesta manhã.

De acordo com as informações iniciais da Polícia Civil do Paraná, o atirador havia morrido após confronto com Arruda. No entanto, na tarde deste domingo (10), a delegada Iane Cardoso retificou a informação dizendo que o agente está vivo e internado em um hospital.

As investigações apontam que o crime teria sido motivado por intolerância política, visto que Jorge José da Rocha Guaranho, é apoiador de Bolsonaro, como mostram suas publicações nas redes sociais. Testemunhas também afirmam que ele teria gritado “Aqui é Bolsonaro” antes de efetuar os disparos.

Segundo imagens que circulam nas redes, a decoração da festa de Marcelo Arruda incluía uma bandeira com a foto de Lula com a faixa presidencial e os dizeres: “Pro Brasil voltar a sorrir”, além de um bolo decorado com a estrela do partido e outros adereços alusivos ao petismo. Arruda estava vestindo uma camisa com o rosto de Lula.

Momentos antes do crime na noite de sábado, Guaranho teria interrompido a festa e ameaçado os presentes com uma arma na mão, na sede da Associação Esportiva Saúde Física Itaipu. Houve uma rápida discussão, e o homem chegou a sacar a arma e ameaçar a todos. Logo depois, ele saiu, dizendo que “voltaria para matar todo mundo”. Segundo relatos, ele retornou e abriu fogo contra Marcelo que, como também estava armado, revidou os tiros.

Leia também1 Bolsonaro protesta pelo fato de homem que matou petista ser chamado de "bolsonarista"
2 Moraes: "A violência e o ódio são inimigos da democracia"
3 Anestesista é preso por estuprar paciente durante parto no RJ
4 Bolsonaro: "Dispensamos o apoio de quem pratica violência"
5 Homem é suspeito de matar namorada a facadas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.