Jungmann: ‘Munição usada contra vereadora foi roubada’

Ministro da Segurança Pública disse que as munições haviam sido roubadas dos Correios na Paraíba

Pleno.News - 16/03/2018 21h01

Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que munição utilizada para matar vereadora foi roubada Foto: Cristina Indio do Brasil/Agência Brasil

Nesta sexta-feira (16), o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou que a munição utilizada para assassinar a vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco (Psol), e seu motorista, Anderson Pedro Gomes, foi roubada na sede dos Correios na Paraíba. Mais cedo, uma perícia da Polícia Civil havia identificado que a munição havia sido vendida para a Polícia Federal (PF) em 2006.

De acordo com Jungmann, o lote com as munições foi roubado na Paraíba há alguns anos. Ele informou que mais de 50 inquéritos já foram abertos por causa disso. O ministro reafirmou que a munição tem relação com a chacina de Osasco, em São Paulo, ocorrida em 2015.

– Eu acredito que essas cápsulas que foram encontradas na cena do crime, este bárbaro crime, foram efetivamente roubadas. E, também, têm a ver com a chacina de Osasco, que já se sabe, e que a Polícia Federal está fazendo todo seu rastreamento, levantando todos os dados e vai apresentar muito em breve as conclusões às quais chegou – apontou.

Marielle Franco foi assassinada na noite de quarta-feira (14) quando voltava de um evento na Lapa, no Centro do Rio de Janeiro. Ela estava em um carro no bairro do Estácio, no Centro, quando um carro parou ao lado. Dois homens efetuaram os disparos. O motorista também morreu. Uma assessora que estava no carro sobreviveu.

Sobre as cápsulas de munição encontradas, o ministro da Segurança Pública disse que a PF irá procurar por impressões digitais e compará-las com seu banco de dados. Jungmann também deixou claro que o crime não servirá para “abalar” a intervenção federal no Rio de Janeiro.

– Isso não nos abala. É uma tragédia que nós gostaríamos que nunca acontecesse, mas isso só nos dá mais determinação e mais força para seguir adiante, não tenham a menor sombra de dúvida – destacou.

LEIA TAMBÉM
+ Investigação sobre morte de vereadora pode virar federal
+ Público se comove em velório de vereadora e motorista