Leia também:
X Titular do MEC diz que governo não compactua com desvios

Joana Ribeiro: Saiba quem é a juíza que negou aborto à menina

Magistrada atua na área da Infância e Juventude há 18 anos e tem mais de 10 artigos publicados

Gabriel Mansur - 22/06/2022 14h17 | atualizado em 22/06/2022 14h25

Juíza Joana Ribeiro Foto: Divulgação/TJSC

Autora da decisão que negou um aborto a uma menina estuprada de 11 anos, a juíza catarinense Joana Ribeiro tem 43 anos e é servidora do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) desde 2004.

Há 18 anos, ela atua na área da Infância e Juventude e já passou pelas comarcas de Navegantes e Itajaí, no Litoral Norte. A decisão de trabalhar com crianças e adolescentes, segundo ela, ocorreu por causa de sua vivência com o tema.

– Vi amigos que ficaram órfãos, crianças que sofreram abandono, vivi isso na infância, e talvez isso tenha criado essa empatia muito grande com as crianças – afirmou.

Formada em Direito, ela é especialista em Processo Civil e mestre em Direito pelo Programa de Mestrado Profissional em Direito da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Na instituição, ela ainda faz doutorado com enfoque na primeira infância. Autora de livros sobre o tema, a magistrada também possuiu mais de dez artigos publicados.

– O direito da criança e adolescência é a minha paixão. É a minha dedicação, meu carinho, meu amor, meu dinheiro, meu tempo, é tudo pra isso. Eu estudo para fazer o melhor possível. Então, dentre às circunstâncias, eu fiz o que era melhor possível – disse ao G1.

Atualmente, ela participa da Coordenadoria Estadual da Infância e da Juventude (Ceij) do TJSC, e é membro do Grupo de Pesquisa Núcleo de Estudos Jurídicos e Sociais da Criança e do Adolescente (Nejusca).

Quando emitiu a decisão, Joana estava lotada em Tijucas. Na terça-feira (21), a magistrada informou que foi transferida para Brusque, no Vale do Itajaí, por promoção “por merecimento”. O convite, segundo ela, foi feito antes da repercussão do caso. Com a promoção, ela sai da área da Infância.

Leia também1 Juíza sobre menina estuprada: "Não sou contra o aborto"
2 Justiça libera menina grávida de abrigo, e aborto segue incerto
3 Juíza que negou aborto à menina estuprada deixa o caso

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.