Leia também:
X Rio de Janeiro confirma 1º caso da variante Ômicron

Janaina sobre vacinar crianças: “Começam falando em direito e, rapidinho, proíbem crianças de entrar na escola”

Em suas redes sociais, a deputada afirmou que é importante o debate sobre riscos da imunização de crianças contra a Covid-19

Pleno.News - 20/12/2021 14h47 | atualizado em 20/12/2021 17h01

Deputada Janaína Paschoal Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Nesta segunda-feira (20), a deputada estadual Janaina Paschoal, de São Paulo, comentou a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de liberar a vacina contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos de idade.

No Twitter, ela disse defender o debate sobre o tema, criticou a “instrumentalização de crianças por interesses eleitorais” e afirmou apoiar a “orientação dada pelo presidente, no sentido de condicionar a vacinação das crianças à indicação médica e à autorização dos pais”.

A decisão da Anvisa de liberar os imunizantes para crianças foi tomada na semana passada. Mas a agência definiu que as doses nesses casos serão diferentes das doses aplicadas em adolescentes e adultos. A medida, no entanto, irritou o presidente Jair Bolsonaro, que chegou a pedir o nome dos responsáveis pela aprovação.

Ao comentar sobre a liberação das vacinas para crianças, Janaina pediu ao Ministério da Saúde que tornasse público os “dados sobre os efeitos adversos reportados durante esse período de vacinação de adolescentes”. Para ela, o “mínimo que os indivíduos precisam ter é o direito de conhecer todos os dados e DECIDIR”.

A deputada também sugeriu a Bolsonaro que “baixa uma Medida Provisória, impedindo condicionar à vacinação o acesso a serviços essenciais”.

Por fim, ela fez um alerta: “Começam falando em direito e, rapidinho, passam a proibir as crianças de entrar na escola ou passar pelo médico”.

Leia o que disse a deputada:

Seria muito importante que o Ministério da Saúde tornasse públicos os dados sobre os efeitos adversos reportados durante esse período de vacinação de adolescentes. Quantos casos de pericardite? Quantos casos de miocardite? Quantos casos de AVC, enfarte e morte súbita?

Quantos casos já investigados e quantos sob investigação? As “Anvisas” de vários países reconhecem os riscos para adolescentes e jovens do sexo masculino. Só o Brasil obstrui o debate franco. Eu sei que todas as Agências repetem o mantra de que os benefícios superam os riscos.

Mas falam dos benefícios coletivos, e não individuais! O mínimo que os indivíduos precisam ter é o direito de conhecer todos os dados e DECIDIR! Jamais neguei a doença ou desmereci vacinas, mas não aceito a asfixia do debate, mormente envolvendo a vida, a saúde e a segurança de crianças e adolescentes!

E não venham falar que estou atrás de votos. Perco mais do que ganho com meu posicionamento. Mas não vou corroborar com a instrumentalização de crianças, por interesses eleitorais.

Eu apoio a orientação dada pelo presidente no sentido de condicionar a vacinação das crianças à indicação médica e à autorização dos pais. Aliás, no lugar dele, baixaria uma Medida Provisória, impedindo condicionar à vacinação o acesso a serviços essenciais!

Começam falando em direito e, rapidinho, passam a proibir as crianças de entrar na escola ou passar pelo médico. São cruéis! Quanto aos membros da Anvisa, por óbvio abomino as ameaças que estão sofrendo, mas eles precisam, sim, mostrar a cara! Muito cômodo decidir no anonimato!

 

Leia também1 'Por mim, é o pai que decide', diz Bolsonaro sobre vacinar crianças
2 Gilmar Mendes sai em defesa de técnicos da Anvisa: “Vergonha”
3 Aras anuncia 'providências para proteger' diretores da Anvisa
4 Advogado quer afastamento e prisão de diretores da Anvisa
5 Queiroga sobre vacinar crianças: “Pressa é inimiga da perfeição”

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.