CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X Usuários questionam “quem mandou matar Bolsonaro”

Ibama detecta óleo perto de navio encalhado no Nordeste

Autoridades dizem que trata-se de óleo que estava no convés e não de vazamento dos tanques da embarcação

Pleno.News - 28/02/2020 21h43

Navio Stellar Banner está encalhado no Maranhão Foto: Divulgação

Uma mancha de óleo de cerca de 800 metros quadrados foi detectada nesta sexta (28) em volta do navio carregado de minério que está encalhado no litoral do Maranhão. Segundo as autoridades, trata-se de óleo que estava no convés e não de vazamento dos tanques da embarcação.

De acordo com o Ibama, a mancha tem um raio de 830 metros e volume de óleo estimado em 333 litros. O órgão ambiental acredita que parte dela tenha se dispersado naturalmente com as chuvas que caíram durante a tarde na região.

O navio, chamado Stellar Banner, está encalhado em um banco de areia a cerca de cem quilômetros de São Luis, desde a segunda (24), quando sofreu avarias no casco após tocar o fundo do mar. Em seus tanques, há quase 4.000 toneladas de óleo e 259 mil toneladas de minério.

A título de comparação, a Marinha diz que recolheu 5.000 toneladas de resíduos oleosos (misturados a areia e água) nas praias do Nordeste após vazamento de origem não identificada em 2019. O Stellar Banner tem 340 metros de comprimento, o equivalente a três campos de futebol.

A maior preocupação das autoridades é acelerar o processo de retirada do óleo para evitar que um eventual rompimento do casco do navio provoque um desastre ambiental.

Neste fim de semana, mergulhadores devem avaliar a extensão dos danos no casco para definir a estratégia de retirada do óleo.

O coordenador de Acidentes Tecnológicos do Ibama, Marcelo Amorim, disse à reportagem que o navio mantém a mesma inclinação nos últimos dias, o que indica que está assentado no banco de areia. A tripulação, que foi evacuada na noite do acidente, tem tido acesso à embarcação.

A equipe especializada contratada pela sul-coreana Polaris Shipping, dona do navio, disse às autoridades que os tanques estão intactos.

Segundo a Marinha, a casa de máquinas está seca e os motores de geração de energia estão em funcionamento.

Neste sábado, segundo a Vale, dois navios recolhedores de óleo da Petrobras devem chegar ao local do acidente, que conta com outras quatro embarcações de menor porte. Em nota, a Polaris Shipping disse que “está mobilizando todos os esforços disponíveis no Brasil para erradicar qualquer risco de derramamento de óleo”.

A empresa não disse, porém, quando deve ser iniciado o processo de retirada do óleo, que consiste em transferir o produto para barcaças. Caso o processo seja concluído com sucesso, as equipes de resgate tentarão fazer o navio flutuar novamente, para transporte até um terminal.

O acidente pega a Vale em meio ao processo de remediação dos danos provocados pelo rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão, em janeiro de 2019, que deixou 270 mortos em Brumadinho (MG).

Embora não seja a dona do navio, a companhia pode ter que arcar com eventuais custos de um derramamento de grande porte.

O analista da corretora Ativa Ilan Arbertman lembrou que a empresa vem reforçando um discurso de reforçar a segurança de suas operações e que, mesmo que não tenha responsabilidade, uma eventual nova tragédia ambiental lhe trará impactos financeiros e de imagem.

“Mais que a perda econômica, uma vez que as operações são securitizadas, acredito que o que está em jogo aqui sejam as palavras proferidas pela companhia quando da divulgação do relatório de administração. Ser crível é parte fundamental no mercado mobiliário [de ações]”, escreveu.

Especializado em direito ambiental, o advogado Terence Trennepohl diz que a jurisprudência dos tribunais, sobretudo do STJ (Superior Tribunal e Justiça), indica que o transportador é responsável pelos prejuízos decorrentes do acidente, e que a Vale só poderá ser responsabilizada se for comprovado que teve alguma influência nos danos.

*Folhapress

Leia também1 Petrobras corta preço do diesel e gasolina a partir de sábado
2 Navio encalha no Maranhão com 4 mil toneladas de óleo


Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo