Leia também:
X Bolsonaro em Caruaru: Povo irá colocar ministros ‘em seus devidos lugares’

SP processa Sikêra Jr. e Patricia Abravanel por “LGBTfobia”

Ato foi motivado por declarações dadas pelos apresentadores na TV

Henrique Gimenes - 04/09/2021 15h08 | atualizado em 05/09/2021 12h51

Sikêra Jr. e Patrícia Abravane Foto: Reprodução

O governo de São Paulo decidiu acionar a Justiça contra os apresentadores Sikêra Jr. e Patrícia Abravanel. De acordo com o site Notícias da TV, a gestão de João Doria decidiu processar os dois por “LGBTfobia”, devido a declarações na TV.

A fala de Sikêra Jr. ocorreu no dia 25 de junho, quando fez críticas à comunidade LGBT devido a uma propaganda da rede de fast food Burger King, que colocou crianças para “explicar” aos adultos o que era a comunidade LGBT e o que elas pensavam sobre diversidade sexual. A peça publicitária gerou uma onda de reação negativa entre os conservadores, que acusam a rede de fast food de promover a ideologia de gênero usando crianças. Na época, ele se referiu a uma parcela dos LGBTs como “raça desgraçada”.

– A criançada está sendo usada. Um povo lacrador que não convence mais os adultos e agora vão usar as crianças. É uma lição de comunismo: vamos atacar a base, a base familiar, é isso que eles querem. Nós não vamos deixar – esbravejou.

Já a fala de Patrícia Abravanel ocorreu em 1º de junho. Na ocasião, ela disse que conservadores teriam direto de serem intolerantes com LGBTs porque ainda estariam “aprendendo” a lidar com o grupo.

Ao veículo, a Secretaria da Justiça de São Paulo confirmou os processos e disse que Sikêra Jr. e Patrícia Abravanel serão intimados nos próximos dias.

O governo paulista também emitiu uma nota sobre a decisão:

O Governo de São Paulo e a Secretaria da Justiça e Cidadania não toleram a intolerância. Discriminação é crime.

Estamos abrindo expedientes administrativos de casos de grande repercussão na mídia para apurar a prática de LGBTfobia contra o apresentador Sikêra Jr, a apresentadora Patricia Abravanel, além de dois vereadores, um de Itararé e outro de São José do Rio Preto.

Em 2019 instauramos 20 processos administrativos por LGBTfobia, em 2020 foram 47, um aumento de mais de 130%.’

Fernando José da Costa, secretário da Justiça e Cidadania

Leia também1 Otoni aciona PGR contra Gleisi por associar pastores a bandidos
2 8 estados prometem punir PMs por adesão a atos do dia 7
3 Atos de 7 de Setembro em São Paulo contarão com 3,6 mil PMs
4 Decisão de Moraes dará 'impulso' às manifestações, diz Zambelli
5 Moraes manda PF prender Zé Trovão e jornalista bolsonarista

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.