Leia também:
X Sinovac vai criar “2ª versão” da CoronaVac contra a Ômicron

Governador do Rio sinaliza que haverá Réveillon em Copacabana

Cláudio Castro e Eduardo Paes discutiram o assunto em reunião

Thamirys Andrade - 07/12/2021 14h55 | atualizado em 07/12/2021 15h45

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e o governador, Claudio Castro Foto: Philippe Lima/Fotos Públicas

Depois de anunciar, no fim de semana, que o Réveillon em Copacabana (RJ) estava cancelado, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), anunciou, na noite dessa segunda-feira (6), que se reuniu com o governador Cláudio Castro (PL) e solicitou que ao menos parte dos festejos possa ser realizada. Castro sinalizou de forma positiva e espera apenas a aprovação do comitê científico responsável por orientar medidas de combate à pandemia para confirmar a tradicional queima de fogos.

A ideia levada por Paes ao governador é a de manter a queima de fogos na orla de Copacabana e em outros pontos do Rio. Em vez de shows ao vivo, a festa contaria com caixas de som espalhadas por alguns pontos. O estacionamento nas ruas de Copacabana seria proibido.

Nesta terça-feira (7), o governador se mostrou favorável à realização da festa.

– A ideia é a gente fazer os fogos com música eletrônica, umas caixas de som, e a proibição de estacionamento, para que a gente possa evitar essa aglomeração – disse Cláudio Castro, em entrevista à TV Globo.

A confirmação oficial, porém, ainda depende de aprovação dos comitês científicos do estado e da cidade do Rio. Uma reunião conjunta está prevista para acontecer nesta quarta-feira (7) para debater o assunto. A expectativa é de que o Réveillon tenha sua realização confirmada ou não até o fim de semana.

Na noite de segunda-feira, Eduardo Paes usou sua conta no Twitter para anunciar que a festa de Réveillon em Copacabana – que ele mesmo havia definido no sábado que não iria mais acontecer – poderá ser realizada.

– Estive agora à noite com o governador Claudio Castro. Pedi que levasse a seu comitê científico a possibilidade de realizarmos ao menos os fogos [de artifício] em Copacabana e em alguns pontos centrais da cidade. Daniel Soranz irá conduzir as negociações acerca do que é possível ser feito – escreveu o prefeito no Twitter, citando na mensagem o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

O recuo de Paes gerou muitas reclamações e provocou ironias entre os que seguem o prefeito na rede social.

– Só pra entender, Dudu: o contrato da prefeitura com a Covid-19 veda a participação do vírus em aglomerações com pirotecnia, ou puxar o saco dos gringos nos hotéis da praia é bem mais importante que a saúde do povão amontoado? – indagou um internauta.

Houve também quem defendesse o eventual recuo.

– Faz os fogos no Cristo, na Igreja da Penha e no Pão de Açúcar. Assim, de quase toda a cidade, os fogos poderão ser vistos! – sugeriu outro.

*AE

Leia também1 Três alunos somem em excursão, e um deles é encontrado morto
2 Covid-19: Bebês vacinados por engano ainda estão internados
3 Doria 'libera' R$ 40 milhões para o Museu da Diversidade Sexual
4 Instituição cristã fará concerto com ex-moradores de rua
5 'Herói' de 21 anos morre após salvar crianças de afogamento

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.