Leia também:
X Bolsonaro: “Quem cria emprego é a iniciativa privada”

FOTOS! Veja como foi a operação com 18 mortos no Alemão

Segundo a polícia, 16 são suspeitos. Grupos de elite das polícias Militar e Civil foram combater o roubo de veículos, de carga e a banco

Gabriel Mansur - 21/07/2022 19h39 | atualizado em 21/07/2022 19h49

A Polícia Militar confirmou, no início da noite desta quinta-feira (21), que a operação conjunta das polícias Militar e Civil no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro, deixou 18 mortos, sendo 16 suspeitos, um policial e uma moradora. Representantes das secretarias da PC e PM deram entrevista coletiva no início da noite desta quinta.

As vítimas identificadas são o cabo da PM Bruno de Paula Costa, atingido no pescoço, e Letícia Marinho de Sales, baleada dentro do carro.

A ação tinha como alvo uma quadrilha de roubo de veículos. Durante a coletiva, o subsecretário operacional da Polícia Civil, Ronaldo Oliveira, disse que preferia que “eles não tivessem reagido e a gente ter prendido os 15 ou 14, mas infelizmente eles escolheram atingir os policiais”. Posteriormente, foram confirmados os 16 suspeitos mortos.

O comandante do Batalhão de Operações Policiais (Bope), Uirá Nascimento, afirmou que, entre os homens que entraram em confronto com a polícia, estavam criminosos que usavam fardas similares a de policiais civis e militares.

Durante a coletiva, o coordenador da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil, Fabrício Oliveira, reclamou do que chamou de “narcoativistas”, isto é, pessoas, segundo ele, usadas por criminosos para fazer “baderna” durante as ações.

– É evidente que se houver críticas e denúncias em relação a ação da polícia elas serão investigadas, porém o que a gente está falando é que os criminosos estão obrigando parte da população para causar uma desordem durante a ação policial – afirmou.

Representantes das duas corporações também lamentaram as mortes do policial Bruno de Paula Costa – que deixa dois filhos autistas – e da moradora Letícia Marinho de Sales, de 50 anos, moradora baleada dentro do carro – segundo parentes, por um policial. A Delegacia de Homicídios investigará as mortes.

RESUMO DA OPERAÇÃO
4 presos na Favela da Galinha;
Apreensões: metralhadora .50 (capaz de derrubar helicóptero), quatro fuzis e duas pistolas;
400 policiais de Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da Polícia Militar e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil;
4 helicópteros e 10 veículos blindados usados na ação;
48 motos apreendidas.

Leia também1 Menina de 5 anos morre após ser baleada na cabeça por traficante
2 PM morto em operação deixa dois filhos com espectro autista
3 Policial militar morre durante operação no Rio de Janeiro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.