Leia também:
X TV: Luciano Huck não deve concorrer em 2022, diz colunista

Morre PM que protestou no Farol da Barra e foi baleado

Policial foi levado para hospital, mas não resistiu

Ana Luiza Menezes - 28/03/2021 21h24 | atualizado em 29/03/2021 17h07

Policial militar não resistiu Foto: Alberto Maraux / SSP-BA

O policial militar Wesley Soares Góes, que protestou na tarde deste domingo (28), na região do Farol da Barra, em Salvador (BA), morreu após ser baleado depois de mais de três horas de negociação com equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE).

A Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) afirmou que PM teve um “surto”. Wesley protestava contra em defesa dos trabalhadores que estão sem poder trabalhar e deu tiros para cima. Ele era solteiro e trabalhava na 72ª CIPM há pelo menos quatro anos.

Góes foi socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) e levado para o Hospital Geral do Estado (HGE).

A família disse que Wesley Góes nunca tinha apresentado surtos.

De acordo com o portal Bahia Notícias, o soldado dirigiu de Itacaré até Salvador, onde ocupou a região do Farol da Barra e chegou a dizer: “Seus filhos estão presenciando sua covardia, policiais militares do estado da Bahia”.

Com o rosto pintado de verde e amarelo, ele teria dito ainda “Eu não vou deixar, não vou permitir, que violem a dignidade humana do trabalhador”.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) disse que o policial foi baleado após disparar com fuzil contra guarnições do Batalhão de Operações Policiais Especiais e terminou neutralizado.

Leia, abaixo, a nota da Polícia Militar:

“A Polícia Militar lamenta profundamente o episódio que ocorreu neste domingo (28), no Farol da Barra, quando todos os esforços foram feitos por um final pacífico durante um possível surto de um PM. O Batalhão de Operações Policiais Especiais adotou protocolos de segurança e o policial militar ferido foi socorrido imediatamente pelo SAMU. A corporação tomou conhecimento ainda de um vídeo do momento em que a imprensa acompanha o fato e é interpelada por um policial militar. A instituição ressalta o respeito à liberdade de expressão e ao trabalho dos jornalistas. O fato será devidamente apurado”.

Leia também1 Prefeito de cidade paulista faz apelo para idosos se vacinarem
2 Rio: Cariocas violam decreto e ocupam praias neste domingo
3 Colisão de carretas em praça de pedágio deixa três mortos em GO
4 Rio: Carro da PM pega fogo após ser alvo de tiros em Santa Teresa
5 Incêndio no centro do Rio deixa famílias desabrigadas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.