Leia também:
X Bolsonaro lembra que presidente eleito “terá duas vagas no STF”

Falso delegado é preso ao deixar mulheres em cárcere privado

Everton Matte mantinha mulheres em apartamento e as impedia de deixar o local

Paulo Moura - 24/03/2022 14h58 | atualizado em 24/03/2022 15h23

Falso delegado (de azul do lado esquerdo) e um outro homem (de camisa listrada) foram presos Foto: Reprodução/Record TV

Um homem que se passava por delegado da Polícia Federal (PF) foi preso em flagrante nesta quarta-feira (23) em Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Ele mantinha as mulheres em cárcere privado e forçava para que fizessem fotos nuas. Três vítimas haviam sido atraídas por uma proposta de trabalho como atrizes em um filme.

Identificado como Everton Matte, o homem está sendo indiciado pelos crimes de estelionato, cárcere privado e por ter praticado conjunção carnal e atos libidinosos com uma adolescente de 14 anos. A polícia afirma que ele usava o endereço de sua casa, onde exibia armas de brinquedo e uma placa com seu suposto cargo, como set de filmagens e sede da suposta produtora audiovisual.

Os crimes praticados por Everton só foram descobertos depois que uma das vítimas fugiu e levou o caso à polícia. Para manter as mulheres em cárcere privado, ele se passava por delegado para intimidar as vítimas.

– Ele usava essa figura de delegado para intimidar, para forçá-las a não tentar a fuga porque ele, sendo policial, conhecia todos os policiais de Icaraí [bairro de Niterói]. As armas [encontradas no apartamento] não são verdadeiras – disse o delegado Túlio Pelosi, titular da 35ª DP, delegacia em que a denúncia foi feita.

Everton já tinha passagem pela polícia por estupro e pedofilia, sobre os quais não houve condenação. Nesta quarta, além de resgatar as duas vítimas, a polícia apreendeu computadores e equipamentos eletrônicos, além das armas falsas. Um outro homem também foi preso no endereço, suspeito de fazer parte do esquema. Um terceiro envolvido fugiu.

O GOLPE
De acordo com a terceira vítima, que levou o caso à polícia, a história começou após ela ser atraída pela promessa de fazer um trabalho como atriz. A mulher teria tomado conhecimento do trabalho em questão ao ver um post em redes sociais sobre a produção de um filme. A obra cinematográfica seria produzida pela Matte Filmes, pertencente a Everton.

A atriz entrou em contato por telefone e agendou duas gravações. A primeira foi feita em um restaurante da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, no dia 8 de fevereiro. Ao realizar esse trabalho, ela recebeu o pagamento de R$ 250 via PIX.

Na segunda gravação, porém, o endereço escolhido foi bem diferente. O local seria a tal sede da produtora cinematográfica, na Alameda Carolina, em Icaraí, na cidade de Niterói, que também era a casa de Everton. A atriz fez uma gravação e, ao final, quando foi tomar banho e trocar de roupa, outras duas mulheres entraram no banheiro, chorando e pedindo ajuda.

Ao conversarem com a terceira vítima, as duas disseram que ela deveria sair do local. Ao tentar sair do apartamento, a vítima mais recente do falso delegado viu que não conseguia. Na ocasião, Everton alegou que ela não deveria ir embora porque uma gravação, até então não prevista, estava agendada para a manhã do dia seguinte.

Uma das vítimas relatou que Everton propôs que ela fizesse fotos nua, mas ela não aceitou, o que, de acordo com a vítima, o deixou visivelmente contrariado. O homem então a obrigou a assinar contrato de exclusividade que a forçava a fazer vários serviços e, caso ela não concordasse, seria um caso de quebra de contrato, com multa rescisória de R$ 30 mil.

Leia também1 Damares confirma que deixará ministério para disputar eleição
2 Coreia do Norte faz maior teste de míssil nuclear e provoca Otan
3 Deltan arrecada mais de R$ 300 mil via Pix para indenizar Lula
4 Justiça nega direito de resposta para Jovem Pan contra Duvivier
5 Anitta pede que fãs tirem título de eleitor para 'tirar Bolsonaro'

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.