Leia também:
X Esquerdista, filha do escritor Olavo de Carvalho se filia ao PT

Esquerda tenta cassar mandato de Nikolas Ferreira, mas sofre derrota

Em sua decisão, juíza afirmou que evidências apontadas pelos partidos eram "frágeis" e “totalmente, sem sintonia com a recente jurisprudência eleitoral"

Henrique Gimenes - 22/06/2021 15h04 | atualizado em 22/06/2021 15h14

Partidos de esquerda tentaram cassar o mandato do vereador Nikolas Ferreira Foto: Reprodução

Após tentar cassar o mandato do vereador Nikolas Ferreira (PRTB), o PSOL acabou sofrendo uma “dura derrota” na Justiça Eleitoral. A juíza Roberta Chaves Soares, da 29ª Zona Eleitoral, decidiu rejeitar pedido apresentado pelo partido de esquerda falando sobre a existência de candidaturas laranja no PRTB e que o vereador havia se beneficiado “da fraude”. Um pedido semelhante foi apresentado pela Rede Sustentabilidade e também foi negado.

Os partidos afirmaram que os seis candidatos a vereador menos votados pelo PRTB eram mulheres sem despesas eleitorais e que haviam declarado apoio ao candidato Alex Gasparzinho. As legendas apontaram que a “exclusão das candidatas fictícias acarretaria a desaprovação do DRAP, por desrespeito à quota de gênero, o que levaria ao indeferimento do pedido de registro do partido político, e, em virtude desse fato, também não ocorreria a eleição do vereador Nikolas Ferreira de Oliveira, o qual supostamente se beneficiou da fraude”.

Já o vereador afirmou não haver comprovação das denúncias de fraude e pediu que fosse mantida a “soberania popular, uma vez que, sozinho, ultrapassou o valor total do quociente eleitoral”.

A juíza Roberta Chaves Soares concordou com o argumento de Nikolas e impôs uma “derrota” aos partidos de esquerda. Para a magistrada, as evidências apresentadas pela Rede e pelo PSOL era “frágeis” e “totalmente, sem sintonia com a recente jurisprudência eleitoral, a qual exige prova robusta”.

Ela ainda ressaltou que as candidatas citadas na ação dos partidos esclareceram “que suas atitudes ocorreram de forma livre, sem pressão ou ajuste prévio com o PRTB, mas devido a questões de ordem pessoal, doença e/ou falta de perspectiva de sucesso nas urnas, e à falta de recursos financeiros para investirem em suas campanhas. Nesse contexto, os impugnantes não se desincumbiram do ônus de comprovar o ajuste prévio entre os envolvidos, a fraude, ou mesmo a simulação entre as citadas candidatas e o PRTB, ou entre elas e o então candidato Alex Ribeiro, ou ainda entre algum desses e o candidato eleito”.

Em suas redes sociais, Nikolas celebrou a decisão da Justiça e denunciou

– Pois é, o pessoal queria cassar o meu mandato por falar que sou laranja. Saiu aqui na Justiça. Julgado improcedente. Isso aqui é uma tática comum e antiga da esquerda, de querer destruir a imagem e o caráter de uma pessoa com falsas acusações – apontou.

O vereador ainda disse que não irá desistir e zombou dos partidos de esquerda.

– Então isso aqui é um claro exemplo para a gente não desistir e persistir, porque a verdade realmente prevalece. Estamos junto, esquerda. Um forte abraço – disse.

https://youtu.be/6RxY-sCgkbs

Leia também1 STF deve manter autonomia do BC e 'impor derrota' à esquerda
2 Justiça Federal tranca ação contra Boulos no caso do tríplex
3 Após foto sem máscara, 'líderes' da esquerda são "detonados"
4 Após criticar a Globo, Bolsonaro é elogiado em rede social
5 Flávio aponta diferenças entre atos da direita e da esquerda

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.