Leia também:
X Por causa do PT, Eduardo Cunha se recusa a comprar o iPhone 13

Escola promove “baile funk” com crianças, e pais denunciam

Conselho Tutelar pediu esclarecimentos após vídeos circularem com crianças cantando músicas com conteúdos pornográficos

Paulo Moura - 24/10/2021 14h58 | atualizado em 24/10/2021 15h13

Escola promoveu baile funk com músicas de teor pornográfico para crianças Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Uma escola infantil Goiânia foi denunciada ao Conselho Tutelar da cidade após imagens de uma comemoração alusiva ao Dia das Crianças circularem nas redes sociais mostrando os pequenos dançando e cantando músicas com teor pornográfico, no que parecia ser um “baile funk”. O caso também deve ser investigado pela Polícia Civil.

De acordo com o Conselho Tutelar, cerca de 70 crianças com idades entre 7 e 10 anos de idade participaram da atividade chamada de “festa do pijama”. Ao verem as crianças dançando e cantando as músicas, funks com letras falando sobre drogas e práticas sexuais, as próprias professoras filmaram e encaminharam os vídeos aos pais.

Nos vídeos, é possível identificar trechos de músicas como Loucura que Ela Fez Comigo, do Funk Explode, e Menina Se Prepara, do MC Pepeu. As duas contém termos obscenos, inapropriados para crianças, e que podem caracterizar a violação do Estatuto da Criança e do Adolescente, que determina que crianças não sejam expostas a esse conteúdo.

Segundo o Conselho, embora os pais tenham autorizados a participação das crianças na atividade, em nenhum momento foram informados sobre qual seria a programação musical. A conselheira responsável pelo caso explicou que a exposição dos pequenos a esse conteúdo erotizado pode deixá-las mais suscetíveis a serem vítimas de abusos.

– Uma criança erotizada de forma precoce pode desenvolver transtornos. Elas reproduzem o que veem e ouvem. […] Se for um estímulo contínuo, podem se tornar mais suscetíveis a se tornarem vítimas de abuso ou abusadores – destacou a conselheira Érika Reis.

O Conselho convidou a escola para prestar esclarecimentos e o advogado que representa a instituição foi ao encontro dos conselheiros. De acordo com Érika, o órgão pediu uma série de informações acerca da programação do evento que devem ser providenciadas nos próximos dias, e também vai reportar o caso à Polícia Civil.

 

Leia também1 Por causa do PT, Eduardo Cunha se recusa a comprar o iPhone 13
2 Bolsonaro sobre combustíveis: "Não vamos interferir no preço"
3 Procuradora afirma que pedido de prisão de Allan é ilegal
4 Yudi se emociona ao lembrar da morte do pai: "Foi um baque"
5 "Alec Baldwin não tem culpa", afirma pai de diretora morta

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Canal
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.