Leia também:
X Eduardo Bolsonaro se posiciona contra a vacinação obrigatória

Empresário é preso suspeito de abuso em entrevista de emprego

Segundo delegada, homem buscou oportunidade para ficar sozinho com a vítima

Ana Luiza Menezes - 28/10/2020 18h02 | atualizado em 28/10/2020 18h03

Empresário foi preso suspeito de abusar de jovem em entrevista de emprego Foto: Divulgação

Em Cuiabá, Mato Grosso, um empresário foi preso suspeito de abusar sexualmente de uma jovem durante uma entrevista de emprego, na terça-feira (27). De acordo com informações do portal G1, o homem disse à vitima que faria um teste e a cada pergunta ela deveria tirar uma peça de roupa.

Durante a entrevista, o homem teria ainda tocado o corpo da jovem para ver as tatuagens dela.

Em depoimento à Polícia Civil, Claudinei Panta da Silva, de 45 anos, negou o abuso e disse que não ficou sozinho com a jovem. Ele afirmou que recebeu o currículo na presença do gerente da loja e de outros funcionários.

A vítima, de 18 anos, tinha visto o anúncio de vaga para o cargo de atendente de assistência técnica, na rede social da empresa. Ela teria ido ao local uma primeira vez, mas o empresário pediu que voltasse no final da tarde, com outra roupa a fim de que ele e a gerente pudessem ver melhor a aparência dela.

Quando a jovem retornou, apenas o proprietário estava na loja. Ele disse que a gerente tinha saído, mas que em breve voltaria. Foi então que o assédio começou, com o homem falando sobre as tatuagens da garota e pedindo que ela colocasse o uniforme da empresa e andasse pela loja para que ele pudesse fazer uma avaliação.

O empresário teria também tocado a cintura e as pernas da candidata, além de colocá-la em cima de uma mesa. A jovem conseguiu fugir e registrou uma ocorrência no Plantão de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica e Sexual. Imediatamente uma equipe da polícia fez uma busca pelo suspeito, que foi detido no bairro Ribeirão do Lipa.

A delegada Jannira Laranjeira Siqueira Campos deu declarações sobre o caso.

– O que chama atenção é que a vaga divulgada pela empresa era para atendente, serviço realizado exclusivamente por telefone. Mesmo assim, o suspeito alegou a aparência da vítima para buscar a oportunidade para ficar sozinho com ela e praticar o abuso – disse Campos.

Leia também1 Conselho investigará médico por atestados "anti-máscaras"
2 PM do Paraná "se confundiu" e assassino de ator não foi preso
3 TJ proíbe ONG pró-aborto de usar palavra 'católicas' no nome
4 Em Rondônia, menina de 13 denuncia pastor por estupro
5 Médico emite atestados para que pacientes não usem máscaras

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.