Leia também:
X Facebook anuncia parceria com Estadão, Folha e mais 18 veículos

Mulher é salva após doação de mais de 500 bolsas de sangue

Caso aconteceu no Pará

Pleno.News - 16/09/2021 21h52 | atualizado em 17/09/2021 09h35

Thaís Cristina Sousa e seu bebê Foto: Divulgação/ Hélder Ribeiro

A auxiliar administrativa Thaís Cristina Sousa, de 35 anos, precisou de 531 bolsas de sangue durante o parto de Saulo Gabriel. A quantidade de sangue é mais do que a média de transfusões totais feitas na Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém, em um mês.

Centenas de doadores foram mobilizados para ajudar Thaís e seu bebê, que hoje tem 2 meses de vida. A auxiliar administrativa sofre de Síndrome Púrpura Trombocitopênica Trombótica (PTT) e precisou fazer uma cirurgia cesariana de emergência aos sete meses de gestação.

Por conta de sua doença, Thaís teve que ser levada para a UTI logo após o parto. O neném recebeu cuidados semi-intensivos, por conta da prematuridade. As informações são do portal G1.

Além de reconhecer a ajuda das pessoas, a mãe do pequeno Saulo expressou gratidão a Deus por ter sobrevivido.

– Não sou uma gata de sete vidas, sou uma onça. Lutei pela minha vida, e meu filho lutou pela vida dele. Tivemos muita ajuda para vencer. Obrigada, Deus. Obrigada a quem doa sangue.

A jovem passou 30 dias internada em estado gravíssimo na UTI do hospital. Ela só foi liberada após 45 dias de luta pela própria vida. O filho dela já tinha sido enviado para casa. Durante o tempo na unidade de saúde, Thaís contou com a companhia da mãe, a professora aposentada Maria do Socorro, de 61 anos, que fez muitas orações em prol de sua recuperação.

O médico Daniel Lima, hematologista e hemoterapeuta da Santa Casa e do Hemopa, falou sobre a condição da jovem.

– Era uma situação clínica delicada, com plaquetas baixíssimas e formação de trombos por causa da doença PTT. Havia risco de perda gestacional, risco de morte para a gestante e risco de agudização com sequelas para ambos – explicou.

Já a médica Patrícia Arruda, integrante da equipe de plasmaférese terapêutica do Hemopa, destacou que o caso foi um milagre.

– Foi um milagre. Um milagre da ciência e do SUS [Sistema Único de Saúde]. São duas instituições públicas que uniram esforços e competências para resolver um caso difícil.

Leia também1 Geraldo Luís relembra infância difícil e diz que perdoou o pai
2 SP: Neto de Luciano do Valle segue em coma após levar tiro
3 Covid: Rio de Janeiro suspende segunda dose da CoronaVac
4 Após caso João Beto, Carrefour decide contratar diretor negro
5 Milicianos incendeiam vans em guerra na Zona Oeste do Rio

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.