Leia também:
X Aos 32 anos, prefeita peita Doria: “Lamento, mas não me intimido”

Disque Maria da Penha exclusivo no Rio é aprovado na Alerj

Projeto de Lei foi criado por três deputados

Monique Mello - 08/03/2021 10h58 | atualizado em 08/03/2021 11h17

Rio de Janeiro poderá ganhar o “Disque Maria da Penha”
Rio de Janeiro ganhará o “Disque Maria da Penha” Foto: Pixabay

O estado do Rio de Janeiro terá, em breve, um número exclusivo de telefone denominado Disque Maria da Penha, voltado para o recebimento de denúncias sobre violência doméstica e descumprimento de medidas protetivas às mulheres, relacionadas à Lei Federal nº 11.340/06 – Lei Maria da Penha. A determinação é do projeto de lei 3.636/21, dos deputados Sérgio Fernandes e Martha Rocha (ambos do PDT) e Fábio Silva (DEM), que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou nesta última semana.

A criação do canal segue para o governador em exercício, Cláudio Castro (PSC), que tem 15 dias para sancionar ou vetar a lei.

De acordo com o texto, o Disque Maria da Penha deverá ficar disponível 24 horas por dia, e as autoridades competentes deverão dar prioridade às denúncias recebidas pelo canal. A divulgação do serviço telefônico, de ligação gratuita, deverá ocorrer de forma ampla, como no Diário Oficial, nas telas de cinema antes do filme ser exibido, em cartazes fixados em local de grande circulação pelo público, em painéis eletrônicos, em ingressos e outros meios de comunicação.

– Os casos têm aumentado muito em virtude da pandemia, já que as mulheres passaram a ficar mais tempo com os agressores. Por isso, é importante termos um canal exclusivo no estado para assegurar o direito delas de denunciar as agressões e, de forma rápida, ver o Poder Público reprimir a violência – defende o deputado Sérgio Fernandes.

Emendas ao projeto asseguraram o direito ao anonimato do denunciante e também que as denúncias sejam atendidas por técnicos especializados em atendimento à violência contra a mulher, devendo constar marcadores de raça, orientação sexual e identidade de gênero para fins de coleta de dados.

– A violência contra mulher é endêmica, é uma violação dos direitos humanos. Toda forma de denunciar é importante para extirpar esse mal que assola o país – declarou Martha Rocha.

O Poder Executivo regulamentará a norma por meio de decretos, devendo estabelecer a interconexão com os órgãos de proteção à mulher na difusão da denúncia.

Leia também1 Assista: Damares parabeniza as leitoras do Pleno.News
2 Conheça as leis brasileiras que protegem as mulheres
3 Operação policial mira violência contra mulheres em todo o país
4 Violência contra a mulher: Brasil teve 105 mil denúncias em 2020
5 Campanha do governo combate a violência contra a mulher

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.