Leia também:
X Porta-voz: Jair Bolsonaro irá se esforçar pela Previdência

DF: Casal é preso sob suspeita de matar filhos com insulina

Foragidos desde fevereiro, eles teriam aplicado injeção nas crianças

Ana Luiza Menezes - 25/03/2019 23h58 | atualizado em 26/03/2019 13h07

Casal foi preso sob suspeita de matar os filhos Foto: Divulgação/ Polícia Civil do DF

No Distrito Federal, a Polícia Civil prendeu um casal suspeito de matar os filhos. Os dois foram presos no domingo (24) porque teriam aplicado injeção de insulina nas crianças.

Segundo os investigadores, o casal também tentou forjar a doença dos filhos para arrecadar dinheiro. Eles estavam foragidos desde fevereiro após a Justiça ter decretado a prisão preventiva da dupla.

Foi necessário um mês de buscas intensas até que a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) localizasse os pais. A operação contou com apoio da Divisão de Operações Aéreas.

De acordo com informações compartilhadas pelos agentes, os dois são responsáveis por duas tentativas de homicídio e outros dois homicídios consumados. Todos os crimes foram praticados contra os quatro filhos que tinham.

O caso mais recente ocorreu em 2017, quando o bebê, de apenas 2 meses, foi levado ao Hospital Universitário de Brasília (HUB) após uma convulsão. Ele morreu após sofrer complicações no pâncreas em função da quantidade de insulina recebida.

O homem, de 27 anos, e a mulher, de 34, faziam aplicações indevidas do medicamento nos filhos com o fim de arrecadar dinheiro em campanhas emotivas nas redes sociais. Exames realizados no Instituto de Medicina Legal (IML) e na Universidade de Brasília (UnB) comprovaram que os pais injetavam o medicamento nos filhos sem necessidade.

Leia também1 Cantor sertanejo morre em acidente de moto no MS
2 Ex-presidente Michel Temer deixa a prisão no RJ
3 No RJ, assaltante passa mal e morre após roubar carro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.