Leia também:
X Pai de santo que estuprava mulheres em sessões vira réu

Desembargadores suspeitos de receber propina são alvo da PF

Magistrados de Minas Gerais estariam recebendo para influenciar na solução e no andamento de processos

Paulo Moura - 18/11/2020 08h03

Polícia Federal durante operação
Polícia Federal durante operação Foto: Reprodução/Wikimedia Commons

A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) realizam na manhã desta quarta-feira (18), uma operação que investiga o recebimento de propina por desembargadores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais para influenciar na solução e no andamento de processos que tramitam na Corte. Ao todo, são cumpridos 10 mandados de busca e apreensão.

Intitulada de Operação Cosme, a ação investiga sete pessoas que ofereciam retribuições financeiras e outras vantagens indevidas para obter privilégios na Justiça mineira. São cumpridos seis mandados em Belo Horizonte, um na cidade de Ipanema, um em Engenheiro Caldas, todas em Minas Gerais, além de dois no estado de São Paulo.

Entre os alvos da operação estão os desembargadores Geraldo Domingos Coelho e Paulo Cézar Dias, além do advogado Ildeu da Cunha Pereira Sobrinho, que morreu em fevereiro deste ano. Também foi permitida a quebra de sigilo fiscal e bancários de vários investigados.

A operação é um desdobramento da Operação Capitu, deflagrada pela Polícia Federal em novembro de 2018 que apurou a doação irregular de dinheiro para políticos e partidos, além de um esquema de arrecadação de propina dentro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA.

Leia também1 Moraes decreta prisão domiciliar e tornozeleira para Eustáquio
2 Barroso pede à PF que investigue ataque ao TSE no dia da eleição
3 PF prende acusado de jogar carro contra o Ministério da Justiça
4 PF apreende 10 mil cestas básicas e apura compra de votos
5 PF aponta que jovem de 25 anos tinha plano de matar Bolsonaro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.