Leia também:
X Promoção Irmãos à Obra no Brasil revela 10 escolhidos

Deputados prorrogam por 2 meses CPI de Brumadinho

Comissão questiona ex-funcionário da Vale e documento apresentado

Arina Paiva - 07/08/2019 17h30

Deputados prorrogam por 2 meses CPI de Brumadinho Fotos: EFE/Antonio Lacerda, Lucas Landau, Yuri Edmundo e Paulo Fonseca

Nessa terça- feira (6) os deputados que fazem parte da Comissão Parlamentar de Inquérido (CPI) da Barragem de Brumadinho, região metropolitana de Minas Gerais, se reuniram e decidiram pela prorrogação por mais dois meses. A decisão veio na primeira reunião após o recesso da Câmara dos Deputados.

Durante a sessão que durou 16 minutos o relator da CPI, Rogério Correia (PT-MG), fez o pedido de prorrogação dos trabalhos por 60 dias. Com essa nova data o trabalho da comissão irá até o dia 25 de outubro, quando se completam nove meses de tragédia.

A próxima sessão que apura o rompimento da barragem da Vale está marcada para acontecer na quinta-feira (8). Na ocasião serão ouvidos o engenheiro geotécnico Armando Mangolim, o engenheiro geoconsultor Paulo César Abrão, e o ex-funcionário da Vale Lucas Brasil.

Mangolim e Abrão trabalharam verificando defeitos na instalação de drenos profundos da barragem. Já Lucas Brasil seria o responsável por receber o plano que seria pré-requisito para a empresa conseguir o licenciamento da barragem.

– Há relatos sobre pessoas que seguiram as rotas de fuga e morreram, enquanto outras que não seguiram sobreviveram. Como um documento que deveria ser elaborado para prever cenários e propor estratégias de minimização de riscos teve tantas falhas de elaboração e de execução? – questionou o deputado Rogério Correia, relator da CPI.

Leia também1 Prefeito de Brumadinho é condenado por gastos
2 Após tragédia, Vale fecha mais um trimestre com prejuízo
3 Morre cadela que atuou nas buscas em Brumadinho

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.