Leia também:
X Reajustes: MP apura suspeita de improbidade na Petrobras

Delegada diz que procurador que agrediu chefe não sabe se está arrependido

Demétrius foi preso na quinta-feira pela Polícia Civil e segue detido em São Paulo

Paulo Moura - 24/06/2022 09h21 | atualizado em 24/06/2022 09h46

Procurador Demétrius Oliveira Macedo agrediu a procuradora-geral de Registro, Gabriela Samadello Monteiro de Barros Foto: Reprodução/Vídeo Redes sociais

A delegada Ivalda Aleixo, da Divisão de Capturas da Polícia Civil de São Paulo, afirmou que o procurador Demétrius Oliveira de Macedo não soube responder se estaria arrependido de ter agredido sua chefe, a procuradora Gabriela Samadello Monteiro de Barros. Ao portal G1, Aleixo disse acreditar que Demétrius não estava confortável por estar na frente de policiais mulheres.

– [Tinha] uma escrivã fazendo o BO [boletim de ocorrência], uma investigadora conduzindo ele, uma mulher falando com ele, uma delegada. Acho que ele ficou bastante incomodado – apontou a delegada.

O procurador foi preso na manhã desta quinta-feira (23), em um hospital psiquiátrico na cidade de Itapecerica da Serra, em São Paulo. A delegada relatou que ele foi levado ao local por seus próprios familiares em decorrência do comportamento dele.

– Ele ficou muito irascível [irritado com facilidade ou frequência], porque não existe nenhum motivo que justifique o que aconteceu – declarou.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Pleno.News (@plenonews)

SOBRE O CASO
A agressão de Demétrius contra Gabriela, que aconteceu na última segunda-feira (20), foi supostamente motivada pelo fato de ela ter aberto um processo administrativo contra ele por sua postura no ambiente de trabalho.

A violência aconteceu na Prefeitura de Registro, em São Paulo, e foi filmada por uma funcionária, que também chegou a ser agredida por Demétrius e empurrada contra uma porta. Antes de ser preso nesta quinta, o agressor chegou a ser conduzido ao 1° Distrito Policial (DP) do município, mas tinha sido liberado após registro do boletim de ocorrência.

Leia também1 Reajustes: MP apura suspeita de improbidade na Petrobras
2 Jair Bolsonaro sobre aborto em menina de 11 anos: "Tragédia"
3 Defesa e Forças Armadas vão à Justiça contra Ciro Gomes
4 Procuradora comenta prisão de agressor: "Me sinto mais segura"
5 MPF: Menina de 11 anos estuprada consegue fazer aborto

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.