Leia também:
X Relator prepara parecer pela cassação de Daniel Silveira

Caso Tatiane Spitzner: Júri de Manvailer começa nesta terça

Acusado de matar a esposa, réu responde por feminicídio e fraude processual

Thamirys Andrade - 04/05/2021 12h49 | atualizado em 04/05/2021 13h09

Luís Felipe Manvailer foi preso, acusado de matar Tatiane Spitzner Foto: Reprodução

O júri popular de Luis Felipe Manvailer começa nesta terça-feira (4), em Guarapuava (PR). O réu responde por feminicídio e fraude processual, acusado de matar a esposa Tatiane Spitzner. Os sete jurados do caso são homens, já que as quatro mulheres sorteadas foram dispensadas após pedidos da defesa.

Manvailer deixou a Penitenciária de Guarapuava e chegou ao fórum por volta das 8h45, cercado por manifestantes que pediam justiça. O julgamento já havia sofrido sucessivos adiamentos.

Tatiane Spitzner foi encontrada morta na madrugada do dia 22 de julho de 2018. De acordo com a Polícia Militar (PM), houve um chamado informando que uma mulher teria saltado ou sido jogada de um prédio.

Ao chegar ao local, a polícia informou que encontrou sangue na calçada do prédio. Testemunhas disseram que um homem carregou o corpo para dentro do edifício. Conforme a PM, o corpo de Tatiane estava dentro do apartamento.

Luis Felipe Manvailer foi preso horas depois da morte da advogada, ao envolver-se em um acidente na BR-277, em São Miguel do Iguaçu, no oeste do Paraná. A cidade fica a aproximadamente 340 quilômetros de Guarapuava, onde o crime aconteceu.

Durante uma audiência de custódia, Manvailer negou que tivesse matado a esposa e disse que a advogada cometeu suicídio. O acusado disse ainda que se acidentou porque a imagem de Tatiane pulando da sacada não saía da cabeça dele. Para a Polícia Civil, Manvailer tentava fugir para o Paraguai.

Leia também1 Jovem invade escola com facão e mata crianças e funcionárias
2 Família de marido de Flordelis pede indenização de R$ 800 mil
3 Vereador Jairinho vira réu em caso de tortura contra filha de ex
4 Polícia pede prisão de Monique e Jairinho por homicídio e tortura
5 Menina deficiente intelectual tenta cortar o próprio pescoço após estupro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.