Leia também:
X Apuração descarta legítima defesa no assassinato de lutador

Caso Bruno Krupp: Mãe de jovem morto passa mal em depoimento

"Quando eu vejo o que está acontecendo, entro numa crise de tremor muito forte", disse Mariana Cardim

Gabriel Mansur - 08/08/2022 19h52 | atualizado em 08/08/2022 20h03

Mariana, mãe de jovem morto por Bruno Krupp Foto: Reprodução/TV Globo

A mãe do adolescente João Gabriel, morto atropelado pelo modelo Bruno Krupp, depôs em audiência, nesta segunda-feira (8), à 16ª DP, na Barra da Tijuca. O depoimento, que durou cerca de quatro horas, precisou ser interrompido em algumas oportunidades visto que, muito abalada, Mariana Cardim de Lima passou mal ao falar sobre o acidente, que aconteceu no dia 30.

– Quando eu vejo o que está acontecendo eu entro numa crise de tremor muito forte (…) Tenho tentado evitar muito assistir às reportagens – disse, ao sair da delegacia.

Antes de depor, Mariana chorou em entrevista aos jornalistas. A genitora, em meio às lágrimas, afirmou que tem “conseguido lidar com isso como muita fé e remédios”. Ela foi amparada pelas irmãs Débora e Maura Cardim.

– Estou conseguindo lidar com isso com muita fé e remédios. Tentava dar responsabilidade ao meu filho, que estudava no Sesi em tempo integral. Ele era um menino de 16 anos, mas tinha muita responsabilidade. Eu o ensinava a ser um homem de bem, a respeitar o próximo. Ele era o protagonista da minha vida. Está muito difícil, para mim, viver agora – disse.

Recebida pelo delegado Antenor Lopes, diretor do Departamento-Geral de Polícia da Capital da Polícia Civil do Rio de Janeiro, ela agradeceu o apoio da polícia e dos médicos que atenderam o filho João Gabriel. Segundo Antenor, o depoimento da mãe de João Gabriel é muito importante para todo o processo.

– Ela estava no local, presenciou tudo. Pode ajudar a corroborar importantes informações – disse Lopes.

Mariana estava atravessando a Avenida Lúcio Costa com o filho quando Krupp o atropelou com sua moto sem placa e sem habilitação. Segundo testemunhas, ele pilotava em velocidade bastante superior ao limite da via.

– Foi inevitável para mim ver o quanto as pessoas têm ódio e rancor e raiva desse rapaz [Krupp]. E eu, por incrível que pareça, não estou com ódio desse rapaz, eu não tenho rancor desse rapaz. Talvez ele tenha, sim, que pagar a lei dos homens, mas eu, Mariana, não quero julgá-lo. A gente vive numa sociedade que tem justiça. E essa justiça precisa ser feita, até para que outra mãe não esteja aqui, daqui a um tempo, sentindo a minha dor – disse durante entrevista ao Fantástico, neste domingo.

Bruno Krupp foi levado no sábado (6) para a unidade de pronto-atendimento (UPA) do Complexo de Gericinó, em Bangu. Ele estava em um hospital desde o dia do atropelamento, já com prisão preventiva decretada.

A ida do modelo para o presídio aconteceu depois de a polícia encontrar contradições entre o laudo do hospital, que o liberava para receber alta – o que permitiria que ele fosse levado para unidade prisional -, e o laudo de um médico contratado pela própria família do modelo, que solicitava que ele fosse transferido para uma UTI. Para a polícia, foi uma tentativa de obstrução das investigações.

Leia também1 'Vi a perna dele voando', diz mãe de atropelado por Bruno Krupp
2 Justiça do Rio nega habeas corpus ao modelo Bruno Krupp
3 Bruno Krupp será transferido para UPA de presídio
4 Vídeo mostra atropelamento de estudante por Bruno Krupp
5 Bruno Krupp é levado à UTI após pedido de médico da família

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.