Leia também:
X Voluntário de ONG é preso por desviar cilindros de oxigênio

Carlos Bolsonaro vai ao MP para ‘derrubar’ lockdown no Rio

Vereador defendeu o direito de ir e vir e a saúde das pessoas

Pleno.News - 06/04/2021 17h48 | atualizado em 06/04/2021 18h10

Vereador Carlos Bolsonaro Foto: Reprodução

Nesta terça-feira (6), o vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), decidiu acionar o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) para tentar “derrubar” as medidas de restrição de circulação implementadas pelo prefeito Eduardo Paes.

Carlos anunciou a medida em suas redes sociais.

“Diante de estudos científicos [empreendidos] pelo Brasil e pelo mundo, constatando que pessoas que se exercitam e pegam sol, mantendo o bom senso, ajudam no combate à Covid, não é plausível que prefeitos e governadores bloqueiem áreas abertas, como praias e similares, à atividade física e geração de empregos. Acionamos o Ministério Público, como fiscal da lei, para analisar o que é previsto constitucionalmente, principalmente o direito de ir e vir e da saúde das pessoas”, afirmou o vereador.

Ao MP, Carlos Bolsonaro explicou: “Sendo competência da União as praias e faixas de areia, solicita este parlamentar que seja permitido o trânsito de ir e vir por [parte de] pedestres em qualquer área que seja de poder da União e que não tenha restrições impostas pelo ente Federal, haja vista que o Prefeito do Rio de Janeiro, editou um decreto com uma série de restrições que recai sobre direito de ir e vir em áreas da União”.

Leia também1 "Há grande possibilidade de o Brasil fabricar Sputnik V"
2 'Segurança Pública deve garantir o ir e vir', diz ministro da Justiça
3 Bolsonaro diz que novo ministro da Justiça tem "sua própria PF"
4 AGU nega omissão de Bolsonaro: 'Verdadeiro empenho' por vacina
5 Feliciano explica "perseguição" de governadores contra igrejas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.