Leia também:
X Flordelis fazia rituais em casa e é evangélica porque “dá dinheiro”

Bolsonaro justifica alta na conta de luz: “Poderemos ter apagões”

Presidente defendeu ainda campanha contra o desperdício de energia

Thamirys Andrade - 01/12/2020 12h03 | atualizado em 01/12/2020 13h02

Baixa nas hidrelétricas fez governo precisar acionar usinas de custo mais elevado Foto: Marcos Corrêa/PR

Ao ser questionado sobre o aumento da conta de luz, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) justificou o reajuste afirmando que os reservatórios estão com “níveis baixíssimos” e que se nada for feito, há risco de um apagão. O chefe do executivo informou ainda que uma campanha contra o desperdício de energia está sendo iniciada.

– As represas estão (com) níveis baixíssimos. Se nada fizermos poderemos ter apagões. O período de chuvas, que deveriam começar em outubro, ainda não veio. Iniciamos também campanha contra o desperdício – defendeu em resposta a um comentário no Facebook.

Anunciado na segunda-feira (30) pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o reajuste passa a valer a partir desta terça-feira (1°). A taxa extra está fixada em R$ 6,243 a cada 100 quilowatts-hora consumidos.

A decisão foi tomada em reunião extraordinária com os diretores da Aneel, que acionaram a bandeira vermelha no segundo patamar, a mais alta categoria no sistema. A crise ocorre porque os níveis dos reservatórios de algumas hidrelétricas têm estado baixo, o que faz com que o governo precise acionar as usinas termelétricas, que possuem custo mais elevado.

Leia também1 Doria anuncia restrições e web se revolta: #AcabouAPaciencia
2 Paes apresenta 10 metas para combate à pandemia no Rio
3 Em meio a impeachment, Witzel se batiza em igreja evangélica
4 Witzel apresenta defesa e cita processo que tirou Dilma
5 Maia esnoba emprego de Moro: 'Agora é consultor da Odebrecht'

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.