Leia também:
X Sergio Moro chama governo de Bolsonaro de “muito ruim”

Bebê que foi vacinada contra a Covid por engano tem convulsão

A menina recebeu o imunizante da Pfizer em vez de a vacina pentavalente

Paulo Moura - 07/12/2021 12h12 | atualizado em 07/12/2021 12h31

Hospital Gpaci, em Sorocaba Foto: Reprodução/Google Maps

A pequena Liz, de apenas dois meses, uma das crianças a receber por engano a vacina contra a Covid-19, em Sorocaba (SP), apresentou quadros convulsivos, de acordo com a mãe dela, Ana Cláudia. A menina já vinha apresentando quadros de vômito e o rosto arroxeado durante sua internação no Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil (Gpaci), na mesma cidade.

A menina deveria ter recebido, na última quarta-feira (1°), a vacina pentavalente, que previne doenças como difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e contra a bactéria haemophilus influenza tipo B, responsável por infecções no nariz, nas meninges e na garganta. Mas, em vez disso, acabou recebendo uma dose do imunizante da Pfizer.

De acordo com o jornal Cruzeiro do Sul, Liz ainda passará por avaliações neurológicas solicitadas por uma médica psiquiatra, entre as quais exames de imagem e eletroencefalograma (EEG) para verificar se as crises têm relação com a vacina. A mãe, porém, já fez questão de destacar que a filha nunca apresentou episódios de convulsão antes de receber o imunizante.

PREFEITURA DIZ QUE O CASO SERÁ APURADO
Questionada, a Prefeitura de Sorocaba disse que o secretário da Saúde, Vinicius Rodrigues, visitou a família para avisar sobre o ocorrido e “ofereceu toda assistência necessária da rede”.

A gestão municipal relatou ainda que entrou em contato com o Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado, o Ministério da Saúde e a fabricante da vacina, que relataram casos semelhantes.

A orientação, de acordo com a Prefeitura, foi a de que as crianças permanecessem em observação de 10 a 15 dias. Dessa forma, os bebês foram encaminhados para o Gpaci, para ficar em observação. Um processo disciplinar foi aberto para apurar a postura dos servidores envolvidos no caso.

– A Prefeitura abriu um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) para apuração da conduta. Por ora, a técnica de enfermagem, que fez a aplicação, foi afastada da sala de procedimentos injetáveis, até a apuração e verificação das medidas que serão tomadas – completou.

Leia também1 Covid-19: Bebês vacinados por engano ainda estão internados
2 PF investiga corrupção no Enem durante gestões Dilma e Temer
3 MPF pede arquivamento do processo do Tríplex contra Lula
4 Familiares e amigos participam do velório da atriz Mila Moreira
5 Bolsonaro libera Prouni para alunos de escolas particulares

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.