Leia também:
X Bolsonaro e filhos se reúnem: “Quero ver a esquerda aguentar”

Babá denuncia e mãe é presa por espancar o filho por xixi na calça

Mãe responderá pela agressão em liberdade

Thamirys Andrade - 03/12/2020 18h17 | atualizado em 03/12/2020 18h19

menino de cinco anos espacado pela mãe por xixi na calça
“Não teve quem não se emocionou no hospital ao ver a situação do menino” relatou a presidente do Conselho Tutelar Foto: Conselho Tutelar de Balneário Camboriú

A Polícia Civil de Santa Catarina está investigando uma mãe por agressão ao filho de cinco anos, em Balneário Camboriú. O caso veio à tona após uma babá de 17 anos notar marcas de hematomas na criança e acionar o Conselho Tutelar.

Em entrevista para a equipe Crescer, da Globo, Camille Amorim, presidente do Conselho Tutelar de Balneário Camboriú relatou estar a balada, apesar de se deparar diariamente com casos de agressão a menores.

– Não teve quem não se emocionou e chorou no hospital ao ver a situação do menino. Era grave mesmo. Ele apanhou com chinelo e cabo de rodo, inclusive na cabeça, pela própria mãe. Ele tem 5 anos e conseguiu nos contar com detalhes todos os fatos.

A agressão ocorreu no sábado (28), após o menino pedir a ajuda da mãe para ir ao banheiro. Diante das inúmeras negativas da mãe, a criança não se conteve e urinou na calça.

– Nesse instante, ela começou a bater nele sem parar. Primeiro, com chineladas, depois, com o cabo do rodo, inclusive na cabeça. Os médicos chegaram a suspeitar que ele tivesse sofrido traumatismo craniano por causa das marcas na cabeça. Mas, felizmente, são apenas hematomas. Mas a situação das costas da criança é inaceitável. Em algumas partes, é possível ver com clareza as marcas das tiras do chinelo – afirmou Camille.

menino de cinco anos espacado pela mãe por xixi na calça
“Sabemos que as marcas no corpo vão sair, mas no coração, nunca”, disse Camille Foto: Conselho Tutelar de Balneário Camboriú

A família não sofre de vulnerabilidade social. A mãe é instruída e trabalha como vendedora em uma loja. Ela foi presa no próprio sábado, mas está solta desde a audiência de custódia. Ela responderá pela agressão em liberdade.

– A mãe foi chamada ao hospital e conversamos com ela lá mesmo. Ela não demonstrou nenhum tipo de amor ou empatia com o filho, e não pareceu se preocupar em nenhum momento, apenas disse que ‘perdeu a cabeça’. Ela tem outro filho, uma bebê. Com essa, sim, ela estava preocupada. (…) O menino nos disse que só voltaria para casa quando ela prometesse parar de bater nele. É muito triste! – lamentou Camille.

O menino de 5 anos possui uma irmã mais nova, de pais diferentes. Ambos foram levados para o acolhimento. Até o momento, apenas a avó materna solicitou a guarda do neto. Ela já cuidava dele anteriormente, mas devido a um problema de saúde, pediu para a filha ficar com o neto. A irmã mais nova deve ter a guarda requerida pelo pai biológico.

– Mesmo que o menino retorne para a família, vamos pedir para que seja realizado também um acompanhamento psicológico. Sabemos que as marcas no corpo vão sair, mas no coração e na alma, nunca. Precisamos, cada vez mais, da conscientização dos pais para protegerem seus filhos. É fundamental também que familiares e vizinhos denunciem todos os casos de agressão – alertou a presidente do Conselho Tutelar.

Leia também1 Justiça condena casal por matar o filho que 'atrapalhava o sono'
2 Mesmo seguindo restrições, missa é encerrada pela polícia
3 Chega a 9 o número de presos por roubo a banco em Criciúma
4 Caso Miguel: Em vídeo, Mirtes diz que não haverá impunidade
5 Polícia prende o sétimo suspeito de roubo a banco em Criciúma

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.