Leia também:
X Lula afirma que acha “normal” incomodar deputado em casa

Aluno hostilizado por professor se pronuncia: “Doutrinação”

Vittorio Furlan Vieira conta detalhes da discussão com professor da escola Avenues

Monique Mello - 07/04/2022 13h26 | atualizado em 07/04/2022 15h14

Vittorio Furlan Vieira Foto: Reprodução/YouTube Cana Rural

O aluno hostilizado por um professor na escola Avenues, em São Paulo, se pronunciou sobre o episódio polêmico que tomou as redes sociais nesta semana. Vittorio Furlan Vieira, de 18 anos, concedeu entrevista ao Canal Rural e relatou detalhes até então desconhecidos do caso.

O professor Messias Basques, que conduzia uma palestra ministrada pela líder indígena Sonia Guajajara, menosprezou Vittorio após ele discordar de declarações contra o agronegócio. O tema é caro ao jovem cuja família é ligada à agropecuária.

– Não tenho problemas em ouvir ideologias contrárias ao que eu penso. Mas ela [Guajajara] falou do agronegócio de forma pejorativa. Isso ofendeu profundamente muitos dos que estavam ali – afirmou o estudante.

De acordo com o jovem, o tema da palestra era Gender Equity (equidade de gênero). No entanto, em nenhum momento o tópico foi comentado. A indígena abordou o tema distribuição e apropriação de terras, bem como ações do governo atual em relação ao tópico.

– Foi aí que começou a “doutrinação” […] Ela estava totalmente fora do tema – contou o aluno, que disse não ser a primeira vez que a “Avenues traz pessoas ligadas oficialmente à esquerda para palestrar”.

Segundo Vittorio, as declarações de Guajajara foram pejorativas, o que o incomodou.

– A minha maior indignação foi no momento em que ela [Sonia] começou a falar sobre a distribuição de terra para as pessoas e os indígenas. Isso me incomodou profundamente, essas terras têm donos – disse, afirmando que em nenhum momento se dirigiu ao professor.

– Em nenhum momento eu falei com o professor. Eu fiz a pergunta para a Sonia. Eu posso ter sido imaturo, mas não desrespeitoso – declarou.

Vittorio garante não ter se intimidado com a “carteirada” do professor Basques, que segundo ele, nem ao menos é seu professor.

– Os princípios formam o caráter e isso eu não vou mudar – pontuou.

Além da entrevista, Vittorio também escreveu um longo comunicado sobre o episódio expondo os temas abordados por Sonia Guajajara na palestra, sua posição e a atitude do professor.

Leia na íntegra:
Olá, meu nome é Vittorio, e fui eu que fiz a pergunta para a Sonia. Após tanta controvérsia, difamação e mentiras que estão falando de mim, decidi me posicionar, e, contar do meu ponto de vista, o que aconteceu. Ontem, fomos convidados a uma palestra, sobre a qual nenhum de nós foi previamente avisado. A palestrante também só foi revelada na hora, e pelo nome a reconhecemos (Vice do Boulos e filiada ao PSOL). Não era a primeira vez que a Avenues traz pessoas ligadas oficialmente à esquerda para palestrar. Com tudo isso, entramos no teatro e nos sentamos para ouvir. Afinal a palestra supostamente era para ser sobre “Gender Equity” (Equidade de Gênero). Isso não aconteceu, em nenhum momento o tópico foi comentado, e foi aí que começou a “doutrinação”.

Durante a palestra, Sonia falou muito sobre como os indígenas deveriam ter mais terras e abertamente criticou os fazendeiros e sua profissão. Defendeu a tomada de terra privada pela instituição que ela faz parte (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil). Neste momento, mais uma vez a indignação tomou conta. Tenho amigos que os pais trabalham com o Agronegócio, e minha família vem da Agropecuária. Falar do agronegócio desta maneira tão pejorativa em frente a uma audiência de 300 alunos me deixou extremamente ofendido e desrespeitado (coisa que acredito que outras pessoas também sentiram). Afinal ela estava totalmente fora do tema. Sonia continuou atacando o Agronegócio, Fazendeiros, Latifundiários e seus meios e falou de “distribuição e divisão de terras” (um claro apelo político).

Sonia também falou muito do governo atual, citando projetos protocolados e leis aplicadas de forma pejorativa, e criando uma imagem para os alunos de que precisávamos lutar contra isso. Outra vez ficamos indignados. Como que a escola traz alguém tão ligada a movimentos políticos em ano de eleição, onde vários alunos vão votar pela primeira vez na vida? O que Sonia falou pode, sim, de certa forma, ser interpretado como propaganda eleitoral, visto que a mesma vai ser candidata a deputada federal pelo Psol e já foi do PT (colocando em nota, que a escola NUNCA trouxe ninguém de direita para dar um ponto de vista contrário). Além disso, Sonia exibiu dados e fatos duvidosos, e usou destes para exibir o ponto de vista dela.

Ao final da palestra, percebi que vários de nós estávamos indignados. O professor Messias Basques (que havia planejado e chamado Sonia para a escola) abriu a palestra para perguntas. Percebi que ninguém ali iria falar nada, e se algo fosse ser feito teria que vir de mim. Não aceitei o que havia acontecido, uma clara doutrinação política, um desrespeito à profissão de vários pais de amigos e de minha própria família. Precisei vir em defesa do que eu acredito e defender a mim e aos meus colegas, não aceitei que só tivesse um ponto de vista sendo compartilhado.

Me levantei na frente de 4 classes, peguei o microfone e falei o que pensava. Comentei o fato dela estar errada. Invasão de propriedade privada não é democracia e muito menos democrático, e tentei expor a controvérsia que ela mesmo se colocou ao falar mal de agrotóxicos. No Brasil só se podem utilizar alguns específicos tipos de agrotóxicos, os que mais poluem, e falei que os partidos que ela apoia são contra a entrada de novos agrotóxicos mais modernos e menos prejudiciais. Durante minha tentativa de explicar esta falácia e expor um ponto de vista diferente à plateia, vários professores vieram atrás de mim, tentaram me pressionar para perguntar algo e ir rápido. Juntando isso com o fato de estar na frente de mais de 200 pessoas, fiquei mais nervoso. Acredito que tenha me exaltado em poucas palavras que utilizei, posso ter sido infantil realmente. Indignado e sob pressão fiquei nervoso, mas nunca a desrespeitei, e quem ouvir os áudios da palestra pode confirmar isso. Minha intenção de ir lá nunca foi humilhá-la ou algo do tipo. Fui para me defender de algo pelo qual me senti atacado e expor um ponto de vista diferente, frente a uma nítida tentativa de doutrinação.

Logo em seguida, tiraram o microfone da minha mão, e este professor chamado Messias Basques, começou a falar. Bom, todos ouviram o que ele me falou. Me senti humilhado, desprezado, menosprezado e muito desconfortável. Em frente a todos, este professor começou a me humilhar e utilizar de seus diplomas para se sobrepor a mim, um aluno, em ambiente escolar, que estava tentando lutar pelo que acha certo, e defender sua família e seus amigos das coisas ditas pela Sonia. Além disso, que diploma um aluno que ainda está na escola tem? Não é coerente.

Sonia pegou o microfone para responder, mas não conseguiu responder com clareza o que eu havia dito. Se exaltou e falou coisas como “privilegiado”, “elite branca” e, acima de tudo, soltou uma frase dizendo assim: “Este Estado que só defende ricos e a grande elite”. Depois de tudo o que aconteceu, depois da Sonia ter me respondido, novamente este professor pega o microfone e se dirige a mim novamente falando: “Quando o Vittorio for discursar na ONU, chamaremos ele aqui para poder debater”. Tirando sarro da minha cara na frente de todos. Diminuindo minha pessoa e minha inteligência. Qual era o objetivo dele no último comentário? Será que ele realmente só queria me humilhar? Fiquei espantado e muito humilhado por este professor.

Cada um tem suas próprias conclusões sobre o que aconteceu, mas isso é o que tenho a dizer, e acredito que, com os áudios, vocês podem perceber e ouvir o que foi dito lá.

Vittorio Furlan Vieira

Leia também1 Professor que constrangeu aluno não tem diploma de Harvard
2 Escola "ameniza" atitude de professor que humilhou aluno
3 Jovens fazem TikTok cheirando pó de corretivo líquido. Entenda!
4 Juíza suspende decisão do governo sobre filme de Gentili
5 Cotado para o MEC já chamou Anitta de "péssima influência"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.