Leia também:
X PSOL diverge do PT e não pretende apoiar reeleição de Lira

Alesp vota e aprova aumento de 50% no salário do governador

Reajuste tem efeito cascata em todo o funcionalismo que recebe o teto pago pelo estado

Pleno.News - 29/11/2022 19h32 | atualizado em 30/11/2022 11h53

Sede da Alesp Foto: Divulgação/Alesp

A Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) aprovou, nesta terça-feira (29), o reajuste que concede um aumento de 50% nos salários do governador, do vice-governador e dos secretários estaduais. O aumento tem efeito cascata em todo o funcionalismo que recebe o teto pago pelo estado.

O placar final de votação ficou em 56 votos a 6.

O projeto agora vai a sanção do governador Rodrigo Garcia (PSDB). Ele chegou a informar que a medida pode gerar um custo estimado de R$ 1,5 bilhão ao ano.

O reajuste concedido foi o dobro da inflação do período, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – o último aumento havia sido concedido em março de 2019.

Com a mudança, o salário do governador passa de R$ 23 mil para R$ 34,5 mil a partir de 2023 na gestão de Tarcísio de Freitas (Republicanos). Os rendimentos do vice-governador passam de R$ 21,9 mil para R$ 32,9 mil e dos secretários vão de R$ 20,7 mil para R$ 31,1 mil.

Ricardo Mellão (Novo), Janaína Paschoal (PRTB), Patrícia Gama (PSDB), Carlos Giannazi (PSOL), Mônica Seixas (PSOL) e Adriana Borgo (Agir) votaram contra.

– Estávamos tentando construir aqui um reajuste salarial digno para todos os servidores. O entendimento da bancada do PSOL é que o reajuste de 50% apenas para o servidores que ganham o teto tira a possiblidade orçamentária de reajuste futuro para servidores que ganham menos – afirmou Mônica.

Janaina Paschoal considera que é preciso ter uma “visão sistemática”.

– Esse aumento que define o teto constitucional eleva o salário dos servidores que já ganham mais. Servidores públicos que ganham um salário mínimo não terão aumento nenhum. Não é que as pessoas não mereçam. Mas tem que ter uma visão sistemática – ressaltou Janaína Paschoal.

Para o presidente da Comissão de Orçamento da Alesp, Gilmaci Santos (Republicanos), o impacto do projeto já está previsto e não deve gerar problemas no Orçamento estadual.

– Categorias de auditores, fiscais e policiais não tinham um aumento desde 2019 – argumentou o deputado.

E completou:

– Poderia ser menos? Poderia. Mas isso dá argumento para outras categorias terem aumento no futuro – ressaltou.

O projeto foi apresentado pela Mesa Diretora da Alesp e teve o empenho do Delegado Olim (PP) na proposta, pressionada por delegados e auditores-fiscais. Garcia é favorável à medida. A aprovação vem em meio às discussões na Alesp para alterações na Lei Orçamentária de 2023 que será enviada pelo governador eleito à Casa.

O deputado Gilmaci prevê um impacto de R$ 4 bilhões nos investimentos no próximo ano, parte deste valor por causa do aumento do teto.

*AE

Leia também1 PSOL diverge do PT e não pretende apoiar reeleição de Lira
2 Equipe do governo Lula estuda despolitizar as Forças Armadas
3 General rebate O Globo sobre reunião com grupo de transição
4 159 mil empregos foram gerados no Brasil no mês de outubro
5 Exército emite nota após falas de Paulo Figueiredo, da JP

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.