Leia também:
X Pedófilo oferecia de R$ 30 a R$ 50 para filmar as crianças

“A violência do aborto é tão terrível quanto a do estupro”

Dom Ricardo Hoepers criticou decisão que autorizou que menina de 10 anos abortasse

Rafael Ramos - 17/08/2020 11h59

Dom Ricardo Hoepers se mostrou contra aborto em caso de estupro Foto: Reprodução

Por meio de um artigo, o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, dom Ricardo Hoepers, criticou a decisão judicial que autorizou o aborto da menina de 10 anos, que foi estuprada pelo tio de 33 anos. Apesar do aborto ser autorizado por lei nesses casos, Hoepers afirmou que a decisão é um crime de matar um bebê de cinco meses.

– Por que não foi permitido esse bebê viver? Que erro ele cometeu? Qual foi seu crime? Por que uma condenação tão rápida, sem um processo justo e fora da legalidade? Por que o desprezo a tantas outras possibilidades de possíveis soluções em prol da vida? Foram muitos os envolvidos, mas o silêncio e omissão dos órgãos institucionais que têm a prerrogativa de defender a vida se entregaram às manobras de quem defende a morte de inocentes. Por quê?

Dom Ricardo ainda comentou sobre a mobilização para levar a criança do Espírito Santo até Pernambuco para a realização do aborto. Um grupo de cristãos, inclusive, se mobilizou em frente ao hospital para tentar impedir que o procedimento acontecesse.

– A violência do estupro e do abuso sexual é infame e horrenda, mas a violência do aborto provocado em um ser inocente e sem defesa é tão terrível quanto – declarou o religioso.

Leia também1 Saiba quem é o médico que fez o aborto em menina estuprada
2 Médicos realizam aborto em menina estuprada pelo tio
3 "O crente precisa rever as prioridades do Evangelho"
4 Grupo vai a hospital impedir aborto em menina estuprada
5 Web pressiona por aborto para menina de 10 anos estuprada

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.