Leia também:
X Câmara dos Deputados abranda regra sobre inelegibilidade

China pede para o Brasil “confiar” no Partido Comunista

Artigo do embaixador chinês pede "harmonia" e "confiança mútua"

Gabriela Doria - 24/06/2021 15h45 | atualizado em 24/06/2021 16h00

Presidentes da China, Xi Jinping, e do Brasil, Jair Bolsonaro. Foto: PR/Alan Santos

O embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, fez um apelo para que o país ‘fortaleça a confiança mútua’ no Partido Comunista Chinês (PCC) e nas autoridades do gigante asiático.

Em artigo intitulado “Pensamento de Xi Jinping: Na vanguarda do seu tempo e com uma visão mundial”, publicado na revista Veja nesta quarta-feira (23), Wanming defendeu a harmonia entre os dois países – cuja relação diplomática ocasionalmente entra em conflito.

– Maiores países em desenvolvimento nos hemisférios Oriental e Ocidental, a China e o Brasil definem suas vias de desenvolvimento e filosofias de governança conforme seus respectivos solos históricos e culturais, mas partilham objetivos comuns na busca da prosperidade nacional e do bem-estar social. Diante das novas conjunturas, torna-se ainda mais necessário para as duas partes intensificar a aprendizagem um com o outro e fortalecer a confiança mútua – escreveu o diplomata.

Mesmo com as diversas denúncias de crimes contra a humanidade, a falta de liberdade e a possível culpa pela disseminação do coronavírus, Wanming enfatizou o compromisso do PCC em defender “o povo”, “a saúde” e a “dignidade de cada cidadão”.

– O Partido Comunista da China, sempre com o foco no povo, preserva a saúde e a dignidade de cada cidadão, e conta com a aprovação e o firme apoio da população – disse.

Ainda segundo o embaixador, que elencou em três pontos a visão do atual líder do partido, Xi Jinping, o PCC não quer conflitos ideológicos, mas sim a “harmonia universal”.

– O terceiro ponto é manter o compromisso com o bem do mundo. Construir uma comunidade de futuro compartilhado para a humanidade é o conceito central do pensamento de Xi Jinping sobre diplomacia. Ele se baseia no ideal da civilização chinesa de buscar a “harmonia universal” e transcende a limitada mentalidade da Guerra Fria e do jogo de soma zero – destacou.

Leia também1 Perseguição da China obriga jornal pró-democracia a fechar
2 China usa prisões secretas para torturar suspeitos, diz relatório
3 China defende prêmio Nobel para laboratório de Wuhan
4 Vídeo de morcegos em Wuhan retoma polêmica sobre origem do coronavírus
5 Casa Branca cogita um encontro entre Joe Biden e Xi Jinping

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.