Leia também:
X Defesa avalia levar caso de Silveira a tribunal internacional

Canal conservador satiriza atriz e Youtube pune por ‘bullying’

Canal humorístico é conhecido como o "Porta dos Fundos conservador"

Monique Mello - 20/02/2021 14h18 | atualizado em 20/02/2021 14h30

Canal HIpocrítas satiriza Maria FLor e leva advertência do Youtube
Canal Hipocrítas satiriza Maria FLor e leva advertência do Youtube Foto: Reprodução

Nexta sexta-feira (19), o Canal Hipócritas teve um vídeo removido pelo Youtube, com alegação da plataforma de “violação das diretrizes”.

O Canal Hipócritas é humorístico e considerado o “Porta dos Fundos conservador”, com aproximadamente um milhão de seguidores no YouTube.

O vídeo removido foi publicado na quinta-feira (18), e se tratava de uma sátira a um vídeo publicado pela atriz Maria Flor, no qual ela critica o presidente Jair Bolsonaro por não haver carnaval em 2021.

O polêmico vídeo da atriz, inclusive, já havia sido criticado pelo deputado Carlos Jordy e por Sérgio Camargo, presidente da Fundação Palmares.

De acordo com Youtube, nenhuma outra medida será adotada, pelo fato de ser a primeira remoção de conteúdo no canal. Caso ocorra uma reinscidência considerada como “violação” pela plataforma, o canal poderá ser suspenso por tempo determinado e, em novas ocorrências, poderá haver até mesmo a exclusão da conta de forma definitiva.

Augusto Pacheco, um dos integrantes do canal, compartilhou que o motivo alegado pelo YouTube ao remover a publicação foi “Bullying Virtual”, uma vez que os humoristas ironizaram o comportamento da atriz.

View this post on Instagram

A post shared by Canal Hipocritas (@canalhipocritas)

– Fizemos uma sátira sobre o vídeo que a Maria Flor postou esses dias sobre o carnaval, em que ela fala um monte de besteiras. Só que é o seguinte: não estou falando que ela é gorda, magra, cabeluda, careca. Estou questionando a fala. Não estou falando um adjetivo que se configure como bullying. Foi uma brincadeira sobre a fala da Maria Flor e não sobre a pessoa dela. Há um erro na contestação – diz Pacheco.

O vídeo de Maria Flor, que motivou a sátira, contém palavras e termos inadequados para algumas faizas etárias.

– Todo mundo sabe de quem é a culpa por não ter carnaval. É do infeliz do Bolsonaro. Se lá em julho de 2020 tivesse organizado essas vacinas, agora tinha carnaval. Se tivesse organizado, agora todo mundo estaria ‘trepando’. Esse homem quer acabar com o carnaval, quer acabar com o sexo e ninguém mais ‘trepa’ […] Eu ia estar toda suja, toda lambuzada de cerveja, com xixi e ‘gozo’ de alguém. Uma ‘lambeção’. E só p*****a, p*****a gente. É disso que o Brasil precisa: p*****a” – declarou a atriz em vídeo.

Augusto Pacheco avalia que na plataforma há “pesos e medidas” diferentes quando se trata de conteúdo alinhados à esquerda e à direita.

– O problema não é nem a censura em si. Se a plataforma é clara ao especificar que não quer que fale sobre política, tudo bem, eu não entro nessa plataforma. O problema é o site dizer que não quer que aborde política, mas uns podem falar e outros não”, declara o humorista […] Temos canais de direita que têm sido deletados, lives que têm sido retiradas do ar. Não faz sentido expressar sua opinião e ser retirado do ar – desabafa.

Os integrantes do canal irão recorrer ao YouTube pedindo para que a punição seja retirada.

Leia também1 Juiz nega recurso do YouTube contra Terça Livre e dobra multa
2 Perfis de Silveira no Facebook e no Instagram são retirados do ar
3 'Progressismo é uma utopia que não deu certo em lugar nenhum'
4 Confira lista com os 7 maiores barraqueiros de realitys shows
5 Moraes manda YouTube retirar vídeo de Daniel Silveira

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.