Leia também:
X Anvisa aprova regras para o uso emergencial de vacinas da Covid

Butantan inicia produção em massa da Coronavac no Brasil

Centro de pesquisas deve funcionar "24 horas por dia e sete dias por semana"

Pleno.News - 10/12/2020 14h34

Instituto Butantan inicia produção da Coronavac no Brasil Foto: Divulgação/Instituto Butantan

O governador João Doria (PSDB) anunciou nesta quinta-feira (10) o início da produção nacional da vacina Coronavac, desenvolvida em parceria entre o Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac. “É um momento histórico”, afirmou.

De acordo com ele, o Instituto começou a produzir o imunizante na noite desta quarta (9) e contratou 120 técnicos para auxiliar na produção da vacina, que será feita “24 horas por dia e 7 dias por semana”, aumentando sua capacidade de produção para 1,5 milhão de doses por dia.

– Por que iniciar a vacinação em março, como foi anunciado pelo Ministério da Saúde, se podemos iniciar em janeiro, de forma segura e eficiente? – questionou o governador, fazendo referência ao calendário de imunização apresentado pelo Ministério da Saúde na semana anterior.

Na segunda, ele já havia afirmado que o estado pretende começar o plano de imunização em 25 de janeiro. Horas após o anúncio de Doria, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou, em nota, que só libera o uso da vacina após a análise de documentos, como os de dados de fase 3 da pesquisa.

– Nenhuma das quatro vacinas em desenvolvimento no Brasil apresentou protocolo de registro. Portanto nenhuma das quatro tem aval para uso amplo neste momento – disse o presidente Antônio Barra Torres, em entrevista à Jovem Pan.

Após passar pela Anvisa, a vacina ainda precisa receber um preço, o que é definido pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED). A análise desse órgão leva até 90 dias, em casos normais, mas a expectativa é de encurtar a análise para as vacinas contra a Covid-19.

Na terça, João Doria e o ministro da Saúde Eduardo Pazuello se desentenderam durante uma reunião, após o governador cobrar uma posição da pasta em relação à compra da Coronavac. Em paralelo, especialistas ouvidos pelo Estadão afirmam que é possível distribuir a vacina, desde que ela seja aprovada por pelo menos uma de quatro agências reguladoras internacionais, graças a uma lei federal aprovada no início da pandemia.

Em novembro, um estudo divulgado na revista Lancet Infectious Diseases já havia atestado que a Coronavac produziu anticorpos em 97% dos voluntários, 28 dias após a sua aplicação. No Brasil, a vacina é testada em 13 mil voluntários espalhados por 16 centros de pesquisas de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.

*Estadão

Leia também1 Anvisa aprova regras para o uso emergencial de vacinas da Covid
2 Anvisa faz inspeção na Sinovac, na China, e foto chama atenção
3 Pazuello diz que vacinação pode iniciar em dezembro ou janeiro
4 Caiado desmente Doria sobre campanha de vacinação em SP
5 Pazuello manda recado a Doria: "Cabe ao Ministério a vacinação"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.