Leia também:
X Governo de Pernambuco divulga lista de vítimas das chuvas

Bolsonaro permite operações em escritórios de advocacia

Texto foi publicado no Diário Oficial com um de seus principais dispositivos vetados pelo Executivo

Pleno.News - 03/06/2022 15h45 | atualizado em 03/06/2022 16h15

Presidente Jair Bolsonaro Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta sexta-feira (3), lei que altera o Estatuto da Advocacia, o Código de Processo Civil e o Código de Processo penal para incluir dispositivos sobre a atividade privativa de advogado. No entanto, o texto foi publicado no Diário Oficial com um de seus principais dispositivos vetados pelo Executivo: o que restringia operações policiais em escritórios de advocacia.

A razão para o veto, segundo registra despacho da Presidência da República, foi o fato de a proposição “contrariar interesse público, tendo em vista que pode impactar no livre convencimento motivado dos magistrados, além de poder comprometer a atuação da polícia judiciária”.

– Cumpre ressaltar que compete ao Poder Judiciário, sempre de forma fundamentada, avaliar no caso concreto a medida judicial a ser aplicada e ao Delegado de Polícia e ao órgão ministerial expor as razões que justificariam a cautelar. Assim, qualquer juízo decisório a respeito da admissibilidade, ou não, da cautelar deve ser realizado na hipótese em concreto, e não abstratamente, sob pena de ir de encontro à legislação processual vigente – registra o texto.

Na mesma linha, foi vetado dispositivo que garantia que um representante da OAB e o advogado alvo de busca pudessem acompanhar a análise dos documentos e dos dispositivos apreendidos ou interceptados por investigadores. O governo Jair Bolsonaro argumentou que há diligências que devem ser sigilosas, e, assim, eventual acesso à documentação ocorreria somente de forma diferida.

– Assim, ao exigir a presença do advogado investigado e representante da OAB em todos os atos, poderia prejudicar a eficiência dos órgãos persecutórios na elucidação das infrações penais, e, com isso, favorecer o combate à criminalidade – registra trecho de justificativa para o veto.

Outros itens foram mantidos conforme projeto aprovado pelo Congresso, como o impedimento, ao advogado, de fechar colaboração premiada contra quem seja ou tenha sido seu cliente, sob pena de processo disciplinar.

*AE

Leia também1 PCO 'desafia' Moraes, o 'skinhead de toga', e quer dissolução do STF
2 MT: Procurador vai apurar shows contratados por 24 prefeituras
3 Marina sobre apoiar Lula: "Não me oriento por rancores"
4 Romário discute com petista: "Não bota o dedo na minha cara"
5 Carlos B. reprova propaganda do presidente pelo PL e recebe apoio

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.