Leia também:
X Congresso derruba veto de Bolsonaro sobre notícias falsas

BNDES superfaturou R$ 12 bi em governos do PT, diz TCU

Irregularidades teriam sido cometidas em obras no exterior

Paulo Moura - 29/08/2019 07h28

BNDES teria desviado bilhões em governos do PT Foto: Folhapress/Lucas Tavares

Auditorias do Tribunal de Contas da União (TCU) concluíram que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) destinou indevidamente US$ 3 bilhões (R$ 12,46 bilhões) para obras tocadas por empreiteiras alvo da Lava Jato no exterior.

O cálculo corresponde aos financiamentos que o banco liberou em valores mais altos que o necessário para projetos rodoviários (US$ 1 bilhão extra), caso julgado nesta quarta, e também de infraestrutura urbana (US$ 933 milhões), energia elétrica (US$ 586 milhões) e portos (US$ 416 milhões).

A corte determinou nesta quarta que executivos e técnicos do BNDES em governos do PT sejam ouvidos em audiências para explicar as irregularidades constatadas especificamente nos projetos rodoviários de países como Angola, Gana e República Dominicana.

O ex-presidente do banco Luciano Coutinho está entre os implicados. Os executivos podem ser multados e condenados a pagar pelos prejuízos ao fim do processo, caso a corte entenda que foram responsáveis por perdas. As auditorias nos financiamentos para as obras de energia, portos e infraestrutura urbana, cujos valores pagos a mais somam outros US$ 2 bilhões, estão ainda em fase de auditoria e serão julgados no futuro.

– É importante observar que o montante do desvio de finalidade, em percentual sobre o valor total financiado pelo BNDES, se considerada a média dos valores relativos aos quatro tipos de obras, não se diferencia muito daquele observado para obras rodoviárias, situando-se em torno de 50%. Esse é um percentual extremamente elevado, pois significa que, de cada R$ 2 financiados, R$ 1 foi desviado – diz relatório do tribunal apreciado nesta quarta.

O BNDES alega ter apresentado as informações e documentos requeridos pelos auditores. O banco afirmou que vem construindo medidas para aprimoramento de sua governança. O ex-presidente do banco afirmou que não teve acesso à auditoria e nem foi ouvido pelo TCU.

*Folhapress

Leia também1 Congresso derruba veto de Bolsonaro sobre notícias falsas
2 Ministra anuncia exportação de carnes para a Indonésia
3 Criador de gado aponta ação criminosa em incêndios

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.