Leia também:
X José Dirceu quer ‘exigir’ que o STF interdite Jair Bolsonaro

Araújo admite ser difícil Brasil obter ‘sobra’ de vacinas dos EUA

Ministro foi convocado pela Câmara dos Deputados nesta quarta-feira

Pleno.News - 24/03/2021 15h52 | atualizado em 24/03/2021 16h37

Ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo foi convocado pela Câmara dos Deputados Foto: PR/Alan Santos

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou nesta quarta-feira (24) que considera “difícil” o Brasil obter dos Estados Unidos a liberação para compra de milhares de vacinas da AstraZeneca/Oxford estocadas e ainda não aplicadas contra a Covid-19 no país.

Ao falar em audiência na Câmara dos Deputados, o ministro também indicou que o Ministério da Saúde pode sofrer novos atrasos no fornecimento de doses do imunizante que são fabricadas na Índia. Ele não citou a quantidade exata. Mas disse que dificuldades na produção podem impactar o fornecimento de milhares de unidades já contratadas pelo governo federal.

O chanceler disse que não poderia dar prazos para que o Brasil efetivamente receba uma parte das vacinas solicitadas ao governo norte-americano. Segundo Ernesto, apesar de apelos do Itamaraty e do Congresso ao governo Joe Biden, o excedente de vacinas “está se materializando devagar” nos EUA.

– O Brasil está negociando para procurar receber uma parte desse excedente, mas por enquanto esse excedente é algo extremamente limitado, porque está sujeito à regulação dos Estados Unidos – disse o chanceler aos deputados.

Pressionada pela comunidade internacional, a Casa Branca anunciou ter 7 milhões de doses em estoque e já autorizou o envio de parte para o México (2,5 milhões) e o Canadá (1,5 milhões). Isso porque a vacina da AstraZeneca/Oxford ainda não obteve autorização de uso no país.

Em paralelo, ele indicou que o governo tem “boa perspectiva” de conseguir “kits de intubação” e máquinas de produção de oxigênio nos EUA.

ÍNDIA
Em relação às doses da AstraZeneca que seriam enviadas de fábricas na Índia, de onde veio o primeiro lote comprado pelo governo federal, há dúvidas se o Brasil continuará a ser abastecido.

Segundo Ernesto Araújo, há um problema generalizado na cadeia de insumos para fabricação, e os países enfrentam um “mar revolto”. O ministro diz que tenta conseguir as doses pendentes, apesar da barreira dos insumos.

– Existe na Índia um problema interno para a continuação do fornecimento de mais alguns milhões de vacinas que já estão contratadas por escassez de insumos que são importados de outros países – explicou o ministro.

Segundo ele, o Brasil já recebeu 4 milhões de doses, mas a Índia enfrenta desafios grandes para suprir vacinas internamente, e o país proíbe a exportação do insumo farmacêutico ativo (IFA). O chanceler disse que a China enfrenta dificuldades e depende de outros componentes das vacinas fornecidos por fábricas dos EUA.

– Estamos num mundo em que existem essas limitações para todos os países – disse o ministro.

O chanceler afirmou que a China não proíbe, mas aplica controles sobre exportação de imunizantes e do insumo farmacêutico ativo, usado na produção das vacinas. Segundo o ministro, a demora é burocrática.

– Nenhum problema com relação às exportações provenientes da China – garantiu o ministro.

*Estadão

Leia também1 Covid-19: Hong Kong suspende uso da vacina da Pfizer
2 Lockdown: Fux cassa liminar que liberava cidadão a se locomover
3 SP: Secretário de Saúde compra medicamentos para intubação
4 Queiroga libera abertura de mais 685 leitos de UTI para Covid
5 Sem ser convidado, Doria critica comitê criado para a pandemia

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.