Leia também:
X Vice da Câmara promete “tirar da frente” o voto auditável

Anvisa suspende os estudos clínicos da Covaxin no Brasil

Decisão foi motivada pelo rompimento da Bharat com a Precisa

Monique Mello - 24/07/2021 15h02

Covaxin, da farmacêutica Bharat Biotech
Covaxin, da farmacêutica Bharat Biotech Foto:Divulgação/Bharat Biotech

Na noite de sexta-feira (23), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu os estudos clínicos da vacina indiana contra Covid-19 Covaxin no país, depois que o laboratório responsável pelo imunizante, Bharat Biotech, rompeu os laços com seu representante no Brasil. A decisão foi tomada pela Coordenação de Pesquisa Clínica da Anvisa (Copec/GGMED).

Ao anunciar o fim do acordo com a Precisa Medicamentos, a Bharat informou que continuaria a trabalhar com a Anvisa para completar o processo de obtenção de aprovação regulatória da vacina no Brasil. Para a Anvisa, o fim do acordo a Precisa e a Bharat Biotech “inviabiliza a realização do estudo”.

De acordo com a agência, voluntários brasileiros não chegaram a ser vacinados com o imunizante.

Segue nota da Anvisa:
Os ofícios comunicando a suspensão cautelar foram enviados ao Instituto Albert Einstein e à patrocinadora do estudo, a empresa Precisa Comercialização de Medicamentos Ltda.

A suspensão foi realizada em decorrência do comunicado da empresa indiana Bharat Biotech Limited International, enviado para a Agência também nesta sexta-feira (23/7). No comunicado, a Bharat Biotech informa que a empresa Precisa não possui mais autorização para representá-la no Brasil, o que, na avaliação da Anvisa, inviabiliza a realização do estudo. A Bharat é a fabricante da vacina Covaxin.

A aplicação da vacina em voluntários brasileiros não chegou a acontecer.

O Brasil utiliza atualmente quatro vacinas no processo de imunização: CoronaVac, AstraZeneca, Pfizer e Janssen.

Leia também1 Queiroga diz que Covaxin está descartada neste momento
2 Justiça de SP suspende vacinação imediata de todos os presos
3 Sem vacinas, Rio suspende 1ª dose e cobra Ministério da Saúde
4 Bolsonaro: CoronaVac não tem comprovação científica
5 Estudo: 2 doses de AstraZeneca têm proteção de 93,6% contra mortes

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.