Leia também:
X PGR: ‘Convite a subprocuradora para ir à CPI seria afronta ao MP’

Anvisa aprova uso emergencial de novo coquetel contra a Covid

Combinação de anticorpos foi aprovada por unanimidade pela agência

Pleno.News - 13/05/2021 16h16 | atualizado em 13/05/2021 17h06

Anvisa aprovou, por unanimidade, o uso de novo coquetel de remédios contra a Covid-19 Foto: Anvisa/Mariana Leal

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, por unanimidade, na tarde desta quinta-feira (13) o uso de dois medicamentos: os anticorpos monoclonais banlanivimabe e etesevimabe, para o tratamento de pacientes do coronavírus no país. A decisão foi anunciada durante reunião extraordinária e tem caráter emergencial, com autorização temporária para atender às demandas da pandemia.

Produzidos pela empresa Eli Lilly do Brasil Ltda., os anticorpos associados são indicados para adultos e pacientes pediátricos, acima dos 12 anos e com mais de 40 quilos, com infecção comprovada em laboratório e que estejam no grupo de alto risco para a doença (comorbidades, idade avançada, obesidade etc.). A Anvisa frisou, entretanto, que o tratamento não deve ser administrado em pacientes que já estejam com quadro grave da doença, o que pode “piorar o desfecho clínico”.

Os medicamentos são indicados logo após a identificação do coronavírus no organismo e até dez dias após o início de sintomas. A Anvisa também reforçou que o uso é restrito a hospitais, sob prescrição médica, e não pode ser comercializado em farmácias.

De acordo com o estudo clínico apresentado à agência, o tratamento reduz em até 70% o risco relativo da Covid-19.

Anticorpos monoclonais banlanivimabe e etesevimabe Foto: Reprodução

A posologia indicada é de 700 mg do banlanivimabe e 1400 mg do etesevimabe, administrados em infusão intravenosa (solução aplicada na veia).

Ainda não há, entretanto, dados que garantam a eficácia e segurança do tratamento em pacientes menores de 18 anos ou gestantes. O uso em crianças deve ser feito com base em avaliações de farmacocinética.

Também não há comprovação de segurança ou de eficácia do tratamento contra a variante P1, identificada inicialmente em Manaus. Ainda assim, a agência indicou que as informações presentes até o momento são “satisfatórias” para o uso nesse caso.

AUTORIZADO NOS EUA
O tratamento foi autorizado ainda em fevereiro pela Food and Drug Administration (FDA), agência regulatória dos Estados Unidos. Em março, ele também recebeu parecer positivo pelo Comitê de Medicamentos para Uso Humano (CHMP, na sigla original), da Agência Europeia de Medicamentos.

Este é o terceiro tratamento que a Anvisa aprova para o combate à Covid no país. Em março, a agência autorizou o uso do remdesivir em pacientes do coronavírus e, no mês seguinte, deu o sinal positivo para a combinação de dois outros anticorpos monoclonais: casirivimabe e imdevimabe.

*Estadão

Leia também1 Japão: Sindicato de médicos quer cancelamento das Olimpíadas
2 Cientistas criticam falta de transparência da Sputnik V
3 Bolívia é o 1º país a pedir quebra de patentes de vacinas na OMC
4 Covid: Rio quer vacinar todos os maiores de 18 anos até outubro
5 Queiroga desmente Doria e nega crise diplomática com a China

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.